São 3 os candidatos às eleições para o Conselho Fiscal e Jurisdicional (CFJ), que decorrem no próxima terça-feira, 3 de dezembro. A transparência do trabalho desenvolvido por este órgão da Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) é salientada como um propósito de todas as listas concorrentes.

Em declarações ao ComUM, o candidato pela lista G, João Alcaide, explicou que, “pela natureza das suas competências, a intervenção do CFJ deverá caraterizar-se sempre pela independência, pela transparência, pelo rigor e pela seriedade, independentemente da lista vigente”.

A lista H, dinamizada pelo movimento AGIR, é liderada por Eduardo Velosa, para quem a transparência do trabalho do CFJ não basta. “Todos os anos vemos listas candidatas a este órgão que falam em rigor e transparência. Para nós é preciso mais que isso. Os eleitos no CFJ para além de verem se há irregularidades nas contas, devem questionar a forma como o dinheiro dos estudantes é gasto”, esclareceu.

Este objetivo é partilhado pela candidata da lista I, Cláudia Sousa. “O que nos motivou a concorrer ao CFJ foi uma vontade partilhada por todos nós, membros da lista I, de uma maior transparência e conhecimento público das contas da AAUM”, explicou.

João Alcaide, candidato pela lista G, frequenta o mestrado em Direito Administrativo, Eduardo Velosa, da lista H, e Cláudia Sousa, líder da lista I, são estudantes de Ciência Política.

O CFJ é o órgão responsável pela fiscalização e jurisdição da AAUM.

Catarina Fernandes
Miguel Faria