Ilha de Santiago, Cabo Verde. É lá que, durante o mês de agosto e até setembro, cinco alunos da Universidade do Minho (UMinho) vão estar em missão de voluntariado. A ação insere-se no projeto-piloto “Muito Mais Mundo”, promovido pelo Centro de Recursos para a Cooperação e Desenvolvimento (CRCD) da UMinho, pelo Instituto das Comunidades Educativas e pelo município cabo-verdiano de Santa Cruz, no âmbito do Ano Europeu do Desenvolvimento.

A ideia é, como revela a coordenadora do projeto, “apoiar no desenvolvimento de projetos e de atividades em várias instituições do Município de Santa Cruz, que desenvolvem trabalho ligado a problemáticas sociais como a maternidade na adolescência e a toxicodependência e outras ligadas ao desenvolvimento comunitário”. Sandra Fernandes acrescenta a importância de interagir com “contextos de maior fragilidade, numa perspetiva de cidadania global, assente em valores como a solidariedade, a equidade e a justiça social”.

Daniel Santos é um dos alunos que vai estar nas próximas semanas em Santa Cruz. “Fazer voluntariado num país em desenvolvimento era um sonho que já guardava comigo desde muito cedo”, revela um dos três voluntários que partem no próximo dia 14 para o continente africano (dois já lá estão). “Vi que se tratava de um projeto que ia de encontro à minha área de formação, o jornalismo, e senti que esta era realmente a oportunidade pela qual esperava há tanto tempo”, conta o recém-licenciado pela UMinho.

Foto: DR

Daniel Santos é um dos cinco voluntários que vai estar em Cabo Verde, a par de Inês Carrola, Helena Nunes, Rachel Prochoroff e Ângela Gomes.

Sandra Fernandes realça a intenção de se “proporcionar uma experiência de internacionalização que permita a realização de aprendizagens relacionadas com a área de formação, cultura, sociedade e conhecimento local, tendo em conta o contexto específico do voluntariado no Município de Santa Cruz” aos alunos, num projeto que pretende também criar uma televisão comunitária e reforçar a Escola de Música local.

O tempo é escasso. Mas o conhecimento e formação dos voluntários serão essenciais. “Um mês é pouco tempo para resolver eventuais problemas que possamos detetar, mas creio que poderei contribuir com as competências que fui adquirindo ao longo da minha formação para levar novas ideias e métodos que possam ser uma mais-valia para a comunidade de Santa Cruz”, garante Daniel.

Os alunos participantes, das áreas de Educação, Psicologia, Ciências Sociais e Ciências, vão realizar o voluntariado na sua área de formação, tendo passado por um processo de seleção entre muitos candidatos da UMinho. Em julho, os escolhidos realizaram formação em voluntariado para a cooperação, tendo as despesas – em viagens, vistos e outras – sido pagas por ações de angariação desenvolvidas pelos próprios voluntários, sendo uma parte financiada pelo Instituto de Educação da UMinho.

Os estudantes regressam a Portugal em meados de setembro, continuando depois, e à distância, o trabalho com as instituições cabo-verdianas até janeiro. Ao mesmo tempo, vão apoiar a organização do projeto para 2016. Para o próximo ano, é objetivo “alargar o projeto a outras ilhas em Cabo Verde e a outros Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP)”, diz a coordenadora do projeto. “Temos já alguns convites nesse sentido e também esperamos poder estender o projeto a mais estudantes e a mais áreas de formação, conforme as necessidades e interesses apresentados pelas comunidades que nos acolhem”, conclui.

A aventura destes cinco voluntários pode ser acompanhada na página do Facebook do projeto “Muito Mais Mundo”.