O principal campeonato de hóquei em patins nacional está de volta, e com ele o HC Braga, proveniente do Campeonato Nacional da 2ª Divisão. Temos, portanto, três equipas do Minho, tal como aconteceu na edição de 2013/2014.

Certamente poucos esperavam pela subida dos bracarenses, após uma temporada bastante difícil, concorrendo com nomes consagrados do hóquei português, como o HA Cambra, Espinho ou C Infante Sagres. O HA Cambra acabou por se sagrar campeão, mas o Espinho, que consolidou durante muitas jornadas o segundo posto, viu-se ultrapassado na reta final por uma formação bracarense que nunca deu por perdida a conquista da subida. Após a conquista do segundo lugar, o HC Braga, sob o comando de Vítor Silva, derrotou o Tomar, segundo classificado da Zona Sul, no conjunto das duas mãos do play-out de acesso ao principal campeonato. Agora, o objetivo é o mesmo de há duas épocas: alcançar a manutenção o mais rápido possível. Com a chegada de alguns reforços importantes, como o guardião Diogo Almeida (ex-Oliveirense), Rúben Sousa (ex-Candelária), o jovem Tiago Jorge (ex-Benfica B) e o veterano Tiago Barbosa “Sapo” (ex-Juv. Viana), os minhotos querem continuar a dar alegrias ao seu público, nesta nova temporada.

Depois de uma época não tão conseguida, em comparação com a de 2013/2014, a Juventude de Viana procura fazer melhor do que o sétimo lugar alcançado. Pedro Sampaio permanece no comando, mas o mesmo não pode ser dito de Luís Viana e André Centeno, dois pilares importantes da formação vianense, que partiram para o Sporting CP. Ainda assim, a Juventude reforçou-se com a entrada de três ex-Oliveirense: os veteranos André Azevedo e “Tó” Silva e Nelson Pereira, assim como o ex-Valongo Gonçalo Suissas, procurando dar continuidade às boas performances do clube no principal escalão do hóquei em patins português. O objetivo passa por chegar aos lugares de acesso europeu, mantendo a filosofia do treinador: pensamento jogo a jogo.

O OC Barcelos, sexto classificado na época transata, surpreendeu pela positiva, sendo de realçar o trabalho desempenhado pelo técnico Paulo Freitas. O histórico clube minhoto espera repetir os bons resultados e, quem sabe, aspirar a lugares mais cimeiros. Com a entrada do renomado ex-capitão portista, Reinaldo Ventura, os barcelenses veem o seu balneário ganhar mais uma importante voz de comando, rumo aos objetivos traçados. Na época passada, a formação azul conseguiu um bom resultado na Taça CERS, eliminando inclusive o Noia, de Espanha. Ora, para alcançar um resultado semelhante este ano, jogadores como Luís Querido, o guardião Ricardo Silva e o jovem “Vieirinha” (além de Reinaldo Ventura) vão ser fundamentais para a consolidação do Barcelos na primeira metade da tabela.

Feitas as previsões, só faltam mesmo rolar a bola e os patins, novamente com três equipas da região do Minho no primeiro escalão do hóquei português.