Foi aprovada, no passado dia 2 de Outubro, a revisão do novo regulamento do Fundo Social de Emergência (FSE), criado para ajudar os alunos com maiores dificuldades financeiras que podem ver o seu aproveitamento escolar prejudicado.

O FSE, iniciativa instituída em fevereiro de 2013, foi revisto e aprovado no dia 2 de outubro. “Desde o início do ano que a AAUM vinha reivindicando a necessidade de rever o regulamento”, afirma Carlos Videira, em declarações ao ComUM. Neste sentido, foi promovida uma discussão no seio do “Conselho de Ação Social – composto pelo Reitor, Administrador dos SASUM, Presidente da AAUM, Presidente Adjunto da AAUM e que contou ainda com a participação da Provedora do Estudante”, acrescenta o Presidente da Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM).

Quando questionado sobre as mudanças práticas da revisão do FSE, Carlos Videira considera que a principal alteração é o alargamento do período de candidaturas, isto é, se anteriormente o aluno só poderia candidatar-se a partir de dezembro, agora pode fazê-lo já em outubro.

“Um estudante que se tenha inscrito a mais de 60 ECTS já não necessita de ter aproveitamento a 60% dos créditos a que está inscrito, mas apenas a 36 ECTS”, afirma Carlos Videira.

O presidente da AAUM esclarece, também, “que um estudante em mestrado integrado pode-se candidatar ao FSE por cada um dos ciclos de estudo que venha a frequentar”. Nesta revisão ficaram ainda decididas as despesas que o FSE cobre, nomeadamente “propinas, encargos institucionais, alimentação, alojamento, saúde e habitação”.

Em conjunto com a Reitoria da Universidade do Minho, os Serviços de Ação Social, a Associação Académica e o Provedor do Estudante, o FSE já apoiou mais de 270 estudantes.

Ana Patrícia Magalhães e Ana Rita Martins