As associações académicas estão preocupadas com o não pagamento das Bolsas de Mérito por parte do Governo. Carlos Videira, presidente da Associação Académica da Universidade do Minho, sublinha a necessidade urgente de respostas.

Carlos Videira enviou, no passado dia 13, uma carta ao Secretário de Estado do Ensino Superior, José Ferreira Gomes, numa tentativa de obter resposta em relação ao não pagamento nem atribuição de Bolsas de Mérito.

O presidente da AAUM, em entrevista à Rádio Universitária do Minho, afirmou que “é necessário que o Governo se pronuncie sobre o porquê deste atraso nos pagamentos e na atribuição de bolsas e que dê uma perspetiva de data para que esse pagamento possa ser feito”. Sublinhou, ainda, que “esta já é uma preocupação antiga, um assunto recorrentemente tratado nos encontros nacionais de direções associativas. Não havendo avanços, as estruturas falaram entre si e entenderam que deviam pressionar uma resposta”. O mesmo afirma que esta deve surgir “o mais rápido possível” uma vez que “há muitos estudantes com aproveitamento acima de média que se sentem frustrados e a aguardar com expectativa esta atribuição”.

Carlos Videira enfatiza também que, por se tratar de uma situação que se arrasta desde a anterior legislatura, a indefinição a nível político “não pode ser desculpa porque o Estado, apesar desta indefinição, não está a falhar com outros compromissos financeiros que vai mantendo. As bolsas de mérito não podem ser exceção, é sua responsabilidade proceder à regularização do pagamento destas bolsas”.