Não bastaram as chuteiras, o SC Braga perdeu também, em Marselha, os primeiros pontos na campanha europeia 2015/16. Ao contrário do que sucedera há duas semanas, na cidade dos arcebispos, hoje, foram os franceses a dominar e a vencer o encontro (1-0). Para isso, muito contribuiu uma prestação desconcentrada da formação de Paulo Fonseca.

Ainda as equipas não tinham entrado em campo e este encontro já tinha feito correr muita tinta. Sabia-se que o Braga ia jogar sob protesto, depois de um assalto insólito ao seu balneário, na madrugada anterior.

Quiçá atrapalhados pelo incidente, os bracarenses, que coletivamente até mostraram alguma solidez, somaram erros individuais que simplesmente não podem acontecer numa partida a este nível. Ao longo dos 90 minutos, foram quase incontáveis as perdas de bola em “zona proibida”, com Mauro e Vukcevic a partilharem grande parte da responsabilidade.

Em resultado, os locais, que tiveram o seu mérito pela forma como pressionaram, viram-se várias vezes em situação de golo, mas Matheus foi quase intransponível. Depois dos avisos de Batshuayi, aos 11 e aos 34 minutos, e, pelo meio, do corte desastrado de Boly, o cântaro partiu um pouco antes do intervalo. N’Koudou agradeceu uma oferta de Mauro e atirou em arco para converter o golo que decidiria a partida.

No início do segundo tempo, o Braga tentou reagir. Contudo, ficou-se mesmo pela tentativa, pois, à exceção de algumas arrancadas do irreverente Rafa, o golo do empate andou longe. Mais perto esteve o 2-0. Ocampos desleixou-se, aos 59 minutos, após mais uma perda de bola do Braga em zona defensiva e, nos últimos minutos, após um remate de cabeça, que foi vítima de uma defesa incrível de Matheus e do resvalar da trave.

Apesar da derrota, o Braga mantém-se em excelentes condições para conseguir o apuramento e, até, para vencer o grupo. Continua no primeiro lugar, com mais dois pontos que o Slovan Liberec e mais três que o Marselha, quando faltam duas partidas por disputar.