Dean, o ator que fez dos casacos de couro moda e dos cigarros um estilo de vida, faria, hoje, 85 anos.

James Byron Dean foi um ator norte-americano que marcou a geração dos anos 50 pela rebeldia da juventude. Apesar da sua curta passagem pelo mundo da representação, Dean é o ator mais usado em posters de celebridades cinematográficas. Em 1953, James fez a sua primeira peça na Brodway, See the Jaguar, onde, apesar do fracasso da peça, obteve créditos suficientes para mais tarde brilhar em The Immoralist, peça com a qual ganhou um Tony Award. Mas foi com o filmeEast of Eden, em 1954, que Dean se estriou na grande tela.

Um ano mais tarde, era atribuído ao jovem ator o título de ícone da cultura americana pelo papel que desempenhou em Rebel Without a Cause. O filme marcou a juventude norte-americana e fez de James Dean um dos artistas mais procurados na indústria. A personagem Jim Stark, um adolescente agonizado, era muitas vezes vista como uma personificação da própria vida de Dean. A sua exuberância e inquietação social eram constantemente comparados. Depois de ser carimbado como um rebelde sem causa, Dean interpretou um magnata do petróleo do Texas, em Giant, onde contracenou com Elizabeth Taylor e Rock Hudson.

James Dean nasceu a 8 de fevereiro de 1931 no estado de Indiana. Em 1940, aquando da morte da sua mãe, foi viver com os seus tios, em Fairmount, mas nove anos mais tarde decidiu voltar para junto do pai, na Califórnia. Esta mudança tinha um propósito maior para Dean: estudar representação. Mais tarde, James viajou para Nova Iorque onde frequentou a Actor’s Studio de Lee Strasberg.

Para além da representação, o ator fez diversos anúncios televisivos, entre os quais para a famosa marca Pepsi Cola. Uma outra paixão de James Dean eram os desportos motorizados, em especial os carros. Quando não estava a gravar, Dean corria profissionalmente e foi esta paixão que, em 1955, lhe tirou a vida. Ao volante de um Porsche 550 Spyder, James Dean envolveu-se numa colisão frontal com outro condutor. Com apenas 24 anos, o ator sofreu morte quase imediata, resultado das múltiplas hemorragias internas e de uma fratura na coluna vertebral. Aquando do acidente, o seu primeiro filme ainda esgotava as salas de cinema.

James Dean alcançou o estatuto de grande ator com apenas três filmes e não foi a morte prematura que encurtou o seu legado. Em 1956, o ator recebeu a primeira nomeação póstuma para o Óscar de melhor ator com o filme East of Eden e arrecadou, em 1957, outra nomeação, desta vez com o filme Giant.