O Moreirense perdeu, em casa, frente ao Belenenses, por três bolas a duas, num jogo que ficou marcado pelas condições meteorológicas adversas.

O técnico dos axadrezados, Miguel Leal, já tinha exprimido, na antevisão, as suas preocupações face ao estado do tempo e verdade é que São Pedro fez jus às expetativas: a muita chuva que caiu, esta tarde, em Moreira de Cónegos, desgastou não só o relvado, como também as tentativas dos atletas em proporcionar um futebol trabalhado. Assim, ao longo dos 90 minutos, a intensidade e a luta valeram sobre a técnica e a precisão.

Os azuis do Restelo foram mais aguerridos e os que, de um modo geral, melhor se adaptaram às circunstâncias. Mesmo que o Moreirense tenha começado por se adiantar no marcador, na sequência de um penálti convertido por Rafael Martins, aos 12 minutos, foram os forasteiros a sair a sorrir para as cabines, com um 1-2 favorável em mãos. Marcaram Abel Aguilar, aos 19 minutos, e, em cima do intervalo, Sturgeon, aproveitando uma saída disparatada do guardião Stefanovic.

A segunda parte foi, comparativamente, mais equilibrada. Os minhotos cedo restabeleceram a igualdade, numa recarga de Rafael Martins e, de seguida, o jogo entrou numa fase mais estável, com as defesas – finalmente – a acertarem as marcações.

Por isso, o golo de Bakic, que apareceu solto ao primeiro poste da baliza de Stefanovic, foi um revés muito grande para o Moreirense.

Miguel Leal, a 18 minutos de distância de nova derrota, ainda tentou aproximar a sua equipa da baliza rival, trocando Rafa Sousa, que hoje substituiu o castigado Palhinha no meio campo, pelo avançado Boateng. Mas a opção não produziu efeitos práticos e a desvantagem de um golo conservou-se até final.

Este resultado pode colocar o Moreirense numa posição mais próxima dos lugares de descida, antes de uma visita complicada ao estádio do Dragão.