Homem do jogo

Pizzi

Com Raúl Jimenez na frente do ataque encarnado, o internacional português têm tendência a demonstrar a sua veia goleadora. A mobilidade do mexicano, assim como a irreverência de Gonçalo Guedes, permitem uma maior liberdade do meio campo do Benfica, e Pizzi não se fez de rogado. Com dois golos frente aos minhotos, o ex-SC Braga assume-se como um dos jogadores fundamentais no onze de Rui Vitória.

Em cima

Salvio

O internacional argentino foi o primeiro a criar perigo junto à área dos “cónegos”. A muralha defensiva dos minhotos começou a ceder perante a velocidade de Eduardo “Toto” Salvio, que ainda ousava rematar à baliza defendida do Makaridze. Antes do final do encontro, serviu Pizzi, que registou o seu “bis” na partida. Por momentos, Salvio traz memórias de Pablo “El Payaso” Aimar, que outrora brilhou no relvado da Luz.

Roberto

O avançado da turma de Moreira de Cónegos foi o mais inconformado com a superioridade dos lisboetas na partida. À passagem do minuto 38, o ex-Arouca assustou a baliza de Ederson, num dos raros lances de ataque do Moreirense. Enquanto pôde, também ajudou nas tarefas defensivas.

Em baixo

Moreirense 

Jogar na Luz é, teoricamente, sempre complicado. Após a saída de Pepa, esperava-se que a equipa do concelho de Guimarães conseguisse, pelo menos, “assustar” os encarnados. Contudo, desde que o Benfica se colocou em vantagem, a sua liderança nunca esteve em perigo. A disposição tática da turma minhota tinha como objetivo único aguentar o 0-0, sem qualquer intenção de arriscar na construção de ataques organizados. O Moreirense apenas rematou uma vez na direção correta, contra os dez remates do Benfica à baliza de Makaridze. Os próximos jogos irão ser decisivos para o conjunto de Moreira de Cónegos, que ainda não venceu em casa.