Homem Do Jogo

Jonas

Regressou à titularidade e não poderia ter pedido melhor exibição. Contribuiu com um golo e uma assistência para um triunfo que faz o Benfica cada vez mais líder. Depois da Taça da Liga CTT, surge a titular num difícil jogo para os encarnados, e em setenta minutos apostou na experiência para fazer a diferença. Aos 19 minutos, após jogada de Mitroglou e passe atrasado de Sálvio, Jonas concluiu tranquilamente. Aos 42 minutos, pica a bola sobre os defesas adversários e isola o avançado grego que faz o segundo golo da partida. A lesão não fez desvanecer a qualidade e técnica do avançado de 32 anos.

Em cima

Mitroglou

Claramente um dos homem-golo da equipa encarnada, Mitroglou destacou-se pela sua presença física, qualidade em segurar a bola, pela jogada do primeiro golo e a concretização do segundo. A noite marcou o regresso do grego à dupla com Jonas, que em 2015/2016, foi uma dor de cabeça para as defesas adversárias. Enquanto Jonas construía jogo, Mitroglou era o expoente ofensivo que segurava o jogo encarnado. Aos 19 minutos, após uma bola aliviada, consegue ganhar o esférico sobre o adversário, isolando Sálvio que só teve que servir Jonas para este fazer o primeiro. Aos 42 minutos, alheio ao que se passava, recebe de Jonas e concretiza à entrada da área.

Hernâni

Jogador que mais movimentou e colocou às aranhas a teia benfiquista. Um dos mais importantes no jogo ofensivo vimaranense, fez “gato sapato” de André Almeida. Criou espaços, construiu, assistiu e rematou. Faltou o golo, mas esteve em claro destaque pelas tentativas que criou.

Soares

Raça, vontade, esforço e empenho. O avançado demonstrou tudo isso, mas foi em vão. Tentou criar espaços entre os centrais, mas sem sucesso. Criou e teve situações. Deu tudo o que tinha -como vem a ser costume- e foi dos que mais tentou. Soares e Hernâni foram, claramente, o ponto forte ofensivo do Vitória.

Éderson

Poderia também ser considerado a figura do jogo. Os encarnados sabem bem que a equipa titular deve ser “Éderson e mais dez” e foi mais uma noite em que o guardião o provou. Com o Vitória mais ofensivo e Hernâni endiabrado pelo o lado esquerdo da defensiva encarnada, o brasileiro foi muita das vezes um salvador. Não deu uma única hipótese para os minhotos sonharem e evidenciou-se em excelente forma, mais uma vez.

Em baixo

Hurtado e Raphinha

Saíram cansados, mostraram vontade e empenho, mas não estiveram à altura do ímpeto ofensivo do Vitória. Enquanto Hernâni criava e Soares abria espaços, Hurtado e Raphinha não conseguiram de todo mostrar o seu jogo. Fica destacado o esforço pela equipa.