Homem do Jogo

Adrien Silva

Numa partida difícil, na qual a sua equipa se viu em desvantagem por duas ocasiões, o capitão da formação leonina mostrou o porquê de ser uma peça fundamentar no onze. Importantíssimo nas ligações defesa-ataque, o médio internacional português foi incansável, sendo uma autêntica dor de cabeça para a dupla de pivô defensivo do Moreirense. A garra e determinação que inflige dentro de campo contagiou todos os companheiros de equipa e, à passagem do minuto 73, o capitão do Sporting completa a cambalhota no marcador com uma boa finalização de pé esquerdo à entrada da área. Prémio merecido para um jogador que dá tudo dentro de campo.

 

Em Cima

Bas Dost

E já são 17 o número de golos do avançado holandês na Primeira Liga. O avançado que veio para o Sporting com a difícil tarefa de fazer esquecer Slimani depressa se tem tornado como um dos melhores pontas-de-lança do campeonato português. Sempre oportunista, é dele que nasce o segundo tento dos leões, ao servir Alan Ruiz num cruzamento tirado pela esquerda. Já depois de ter tido uma boa oportunidade ao minuto 60, acabou por marcar oito minutos depois. Grande jogada de Podence, que envia o esférico ao poste esquerdo e, na recarga, o holandês repôs a igualdade no marcador. Pode não ser o tipo de avançado que se destaca pela sua irreverência, mas o faro de golo que Bas Dost possui é digno de um grande ponta-de-lança.

Alan Ruiz

Foi uma das surpresas no onze titular da equipa leonina. Depois de já ter feito o gosto ao pé na partida do Estádio do Dragão, empatou a partida a uma bola ao minuto 40, numa finalização que ainda sofre um desvio de um defesa do Moreirense. Foi um dos mais inconformados na frente de ataque do Sporting, sempre com boas movimentação baralhando a muralha defensiva do Moreirense.

Dramé

Uma autêntica “carraça” para a defensiva dos “leões”. Com o jogo da equipa de Augusto Inácio a privilegiar as transições rápidas, o jogador ex-Sporting conseguiu quase sempre explorar bem as costas da defensiva leonina, criando várias situações de grande perigo. Foi a partir dele que nasceu o primeiro golo da equipa de Moreira de Cónegos quando, num lance de insistência, importunou Bruno César e aproveitou uma má saída de Rui Patrício. Não festejou o golo frente ao seu antigo clube, apesar de ter sido um auto-golo do brasileiro.

Em Baixo

Rui Patrício

Numa partida em que a defesa do Sporting não esteve nos melhores dias, o guarda-redes internacional português foi provavelmente o que esteve mais em baixo. Esteve em evidência nos dois golos dos homens de Moreira de Cónegos pelos piores motivos. No primeiro golo, uma falha de comunicação com Bruno César deixou a sua equipa em desvantagem. Após os “leões” chegarem ao empate, abordou mal um lance onde derrubou Boateng dentro de área, originando uma grande penalidade que Cauê não desperdiçou. Esperava-se mais do guardião campeão europeu.

 

Defesa do Sporting

Exibição para esquecer do quarteto defensivo da equipa leonina. Muito por fruto da velocidade dos atacantes do Moreirense, a verdade é que a linha defensiva do Sporting tremia sempre que a bola conseguia entrar numa das faixas do terreno. Salva-se a conquista dos três pontos, mas Jorge Jesus não estará seguramente satisfeito com a performance realizada pelos seus homens mais recuados.