Mais uma noite Bazuuca no Sé La Vie e mais uma banda em ascensão no panorama nacional. Apresentaram ontem à noite o seu novo disco “Caged Birds Think Flying is a Disease”. Rock e boa disposição marcaram o concerto do grupo.

O trio atuou com um novo elemento no baixo. Márcio Ferreira juntou-se em estúdio a Miguel Azevedo e José Gomes, fundadores da banda, para compor e gravar o mais recente trabalho dos pinguins. Foi José Gomes, o baterista, que captou a atenção da plateia: mesmo antes do início do concerto, José pediu ao público que se aproximasse ao máximo do palco.

“Sangre”, segundo single do novo álbum, foi o mote para a caminhada dos This Penguin Can Fly ao longo de “Caged Birds Think Flying is a Disease”. Com um sentido de humor marcado, coube ao baterista ser o porta-voz do grupo que se exprime na música através do post-rock e do rock progressivo inteiramente instrumental.

A noite recheada de inúmeros riffs de guitarra sobrepostos em loop terminou com os temas “Ailisi” e “A Heartbeat Is More Unique Than A Fingerprint”. No final, algumas pessoas não perderam a oportunidade de adquirir a discografia da banda que se encontrava à venda no local.

O mais recente álbum sucede a um EP e a um single intitulado de “All Polar Bears Are Left Handed”. Desde os seus lançamentos, os singles começaram a ser ouvidos em várias rádios espalhadas pelo país. Os This Penguin Can Fly dizem-se de Braga, apesar de terem bases em várias zonas do distrito.

Os This Penguin Can Fly prosseguem a divulgação deste novo disco. Os concertos ocorrem no dia 6 de maio, no Bar N101, nas Caldas das Taipas; no dia 13, no CRU-Espaço Cultural, em Famalicão; e no dia 29, no Porto.

Já a produtora Bazuuca, organiza na próxima sexta-feira, dia 5 de maio, o concerto de Noiserv no Salão Medieval da Reitoria da Universidade do Minho. O espetáculo enquadra-se no ciclo de concertos Português Suave, programa da Rádio Universitária do Minho.

Fotografia: Diogo Rodrigues