O ex-presidente da Câmara de Braga, juntamente com cinco vereadores socialistas que integraram o seu executivo entre 2009 e 2013, foram, esta segunda-feira, presentes a tribunal no âmbito do polémico “Caso das Convertidas”. O julgamento por abuso de poder e participação económica em negócio ocorreu no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Braga.

No “Caso das Convertidas”, Mesquita Machado terá, no fim do seu mandato, tentado desviar, pelo menos, 2,2 milhões de euros ao expropriar três edifícios do quarteirão do convento das Convertidas, na Avenida Central. Os imóveis, cuja expropriação por utilidade pública foi aprovada por 2,9 milhões de euros, não teriam um valor comercial superior a 694 mil euros

A decisão teria como propósito favorecer a filha mais nova e o genro, ambos sócios da sociedade a que pertenciam os imóveis. O executivo de Ricardo Rio, eleito nas autárquicas de 2013, acabou por anular o negócio, poupando o prejuízo ao município.

Dos cinco vereadores sentados no banco dos réus, destacam-se Hugo Pires e Palmira Maciel, deputados na Assembleia da República do PS, e Vítor Sousa, o antigo “braço direito” do autarca socialista.