Mulher do jogo

Andreia Faria

Funcionando como elo de ligação entre o meio-campo e o ataque, a atleta do Vilaverdense notabilizou-se ao longo do encontro. Andreia Faria procurou dar sempre linhas de passe às colegas e explorar os corredores laterais do ataque através de passes precisos. Depois de uma grande exibição, saiu visivelmente desagastada aos 87 minutos.

Em cima

Andreia Norton

A internacional portuguesa foi sempre um quebra-cabeças para as adversárias. Atuou no lado esquerdo do ataque do SC Braga e conseguiu criar muitos desequilíbrios, tanto na ala como no corredor central. Após uma excelente desmarcação, teve no pé direito a possibilidade de dar a vitória à sua equipa: aos 87 minutos, rematou ao poste esquerdo da baliza contrária.

Coletivo vilaverdense

Costuma dizer-se que “a união faz a força”. Esta velha máxima pode aplicar-se perfeitamente àquilo que foi a exibição do Vilaverdense. Começando na baliza, onde Daniela Araújo foi decisiva e acabando no ataque, com Catarina Machado a ser importante na retenção da posse de bola e na pressão às adversárias, a entreajuda foi sempre visível durante os 90 minutos.

Tanto a defender como a atacar, a equipa vilaverdense procurou, quando possível, ter critérios nas suas ações.

Promoção ao futebol feminino

As diferenças de orçamento e, a partir daí, de qualidade entre as duas equipas minhotas são bem consideráveis. No entanto, no passado domingo, assistiu-se a um jogo em que a equipa com menos atributos conseguiu travar a formação mais apetrechada.

O empenho e a estratégia do conjunto de José Rui foram as armas utilizadas para conseguir impor um empate a um SC Braga que lutou muito para tentar dar a reviravolta no marcador. O público presente em Vila Verde assistiu a uma bela partida de futebol feminino.

Em baixo

Desinspiração do SC Braga

Se é verdade que o Vilaverdense condicionou muito o estilo de jogo habitual do SC Braga, também é preciso dizer que a equipa de Miguel Santos esteve longe de ter uma tarde inspirada.

Numa partida em que o meio-campo da formação visitante não apresentou grande dinamismo, as avançadas, tal como as defesas e médias, quando apoiaram as colegas nos lances de ataque, falharam muitas vezes no momento da decisão.