Golos de Vuckevic e de Paulinho garantiram os três pontos. Foi o 23º triunfo bracarense na principal prova de futebol nacional. Um recorde na história do clube.

Na receção ao Marítimo, a equipa do SC Braga venceu os insulares por duas bolas a zero, no encontro referente à 31ª jornada da Liga NOS. Apesar de um jogo menos conseguido por parte da turma de Abel Ferreira, a formação minhota garantiu o que era mais importante no arranque desta jornada: ganhar e colocar pressão sobre o Sporting CP, na luta pelo pódio.

Primeiro tempo dividido, com ligeiro ascendente minhoto

As dificuldades sentidas por parte da equipa da casa foram bem ilustradas no final do encontro por parte de Abel Ferreira, onde referiu que “para se fazer uma boa dança, é preciso um bom par”. E a verdade é que desde cedo o Marítimo mostrou que vinha à cidade de Braga à procura de pontos.

Com um bloco médio-baixo, a turma insular dava a iniciativa de jogo ao adversário, porém nunca permitindo uma aproximação mais conseguida à sua baliza. Seriam, inclusive, os madeirenses a terem a primeira grande oportunidade, quando aos 12 minutos Jean Cléber enviou a bola ao travessão da baliza de Matheus. Tentava o SC Braga reagir, mas sem conseguir os efeitos desejados.

Foi já a partir da meia hora de jogo que o conjunto da casa conseguiu criar mais espaços, obrigando o adversário a recuar no terreno. Paulinho, aos 35 minutos, quase inaugurava o marcador, num remate de ressaca à entrada da área.

Os médios maritimistas já não pressionavam tão alto e iam-se sucedendo os cruzamentos por parte da equipa minhota. Chegava, assim, ao fim os primeiros 45 minutos, com a formação da casa por cima do jogo, mas com o nulo a manter-se.

Abriu o marcador Vuckevic e fechou Paulinho, com “toque” de Ricardo Horta

O segundo tempo começou como acabou o último quarto de hora da primeira parte. Os cantos iam-se somando para o lado do SC Braga e o Marítimo ia resistindo à pressão. Até que aos 52 minutos surgiu o primeiro golo da partida.

Erro de Jean Cléber e recuperação de bola em zona alta de Ricardo Horta, que colocou em Vuckevic, onde o montenegrino, com classe, bateu Amir. Golo justo que premiou a enorme pressão do conjunto minhoto. Apesar do tento sofrido, o Marítimo não abdicou do seu estilo de jogo e procurou as transições rápidas de forma a surpreender o adversário.

Aos 66 minutos, Raúl Silva introduziu a bola no fundo da baliza madeirense, mas o lance viria a ser invalidado por indicação de fora-de-jogo de Paulinho num primeiro cabeceamento.O jogo entrou numa fase de incerteza, com Daniel Ramos a procurar mexer no meio-campo madeirense, ao colocar Ghazaryan no lugar de Gamboa.

O SC Braga ia controlando, mas sempre a procurar fazer o segundo tento que sentenciasse de vez o encontro. E viria a aparecer já perto do fim. Minuto 87: recuperação a meio-campo dos minhotos e, novamente, Ricardo Horta, no passe, serviu desta vez Paulinho, que fez o 2-0 e confirmou um triunfo difícil, mas conseguido.

Com este resultado, a formação do SC Braga soma agora 71 pontos, subindo provisoriamente ao terceiro lugar do campeonato, em igualdade pontual com o Sporting CP. Na próxima jornada, o conjunto minhoto vai a Belém defrontar a equipa local, o Belenenses.