As Lazy Sessions estreiam-se na cidade de Braga. Depois de começarem no Porto, no Jardim das Virtudes, a organização decide trazer as tardes de concertos para o Parque de Guadalupe.

Uma tarde relaxante com desafios para quem lá toca. É esta a promessa de Rui Miguel Silva, da organização das Lazy Sessions Guadalupe. Os eventos, tardes de verão com música ao vivo, estreiam-se em Braga durante a tarde de sábado até ao final do dia, e repetem-se nos dias 23 e 30 de junho.

As Lazy Sessions começaram no Porto, no Jardim das Virtudes, um jardim com vista para o Douro. Agora passam para Braga, para o Parque da Guadalupe, um dos espaços mais altos da cidade, e Rui Miguel Silva destaca a experiência única que a localização traz: “a maior parte da população da cidade não conhece o parque, e acho que um bocado à imagem do que aconteceu no Porto, também queremos aqui em Braga dar a conhecer o parque às pessoas através da música”.

O conceito das Lazy Sessions é algo de peculiar e incomum. Para cada dia de concerto, existe um curador, um artista, que escolheu as bandas para actuarem num determinado dia. Para este sábado, o curador é Adolfo Luxúria Canibal, conhecido cantor bracarense e vocalista dos Mão Morta. O músico escolheu para este sábados bandas de Braga, os Dead Men Talking e FERE. Grupos e música que pouco se relacionam com a típica música relaxante, algo que Rui Miguel Silva define como um desafio às bandas. “Por acaso em conversa com os Dead Men Talking, eles garantiram que se estão a adaptar ao conceito e que se estão a adaptar ao espaço. Ainda por cima sendo um tipo de espetáculo que vai ser de dia, e eles não estão muito habituados a actuar de dia, eles próprios estão a preparar um concerto para tocar no parque”.

Os restantes curadores serão Branko, no dia 23 e Manel Cruz, no dia 30. A escolha do primeiro reside na ocasião que toma a cidade de Braga, o São João, pelo que a programação foi feito para os concertos se prolongarem pela noite fora. Já Manel Cruz foi “uma escolha pessoal”.

Rui Miguel Silva menciona várias vezes a palavra “desafio”. É algo diferente a toda a gente: aos músicos que atuam, aos curadores e à organização. As Lazy Sessions deste sábado começam às 15h e prolongam-se até às 20h. O organizador está confiante do sucesso do conceito na sua estreia em Braga, mesmo com a entrada gratuita: “sendo um evento gratuito e com estes nomes, eu acho que vai ter bastante afluência, sendo que o São João será o dia que trará mais gente”. Mas a preocupação com o número de pessoas que estará a ver os concertos nem será assim tanta, pois a esperança é mesmo que as Lazy Sessions se solidifiquem na cidade de Braga, e que “o evento cresça com a própria cidade”. “Isto é um evento que nós queremos fazer e queremos que ele se solidifique para os próximos anos. Não temos aqui a necessidade de impor um evento à cidade, queremos que ele vá crescendo e que as pessoas vão fazendo o evento crescer”, afirma Rui Miguel Silva.

Por fim, Rui Miguel Silva lança o convite para toda a gente que esteja pela cidade para trazer a família, os carrinhos de bebés e os animais. “Também devo dizer que é um evento para todas as idades, desde crianças aos mais velhos. É um hábito no Porto virem famílias com os animais, fazemos piqueniques, as pessoas têm essa liberdade toda, portanto é convidar a cidade toda a vir ao evento”.

Este sábado, além de Dead Men Talking e FERE, o próprio curador, Adolfo Luxúria Canibal, traz a palco um DJ Set. Os concertos começam às 15h, no Parque da Guadalupe, a freguesia de São Victor, em Braga.