O terceiro dia do Braga Sounds Better teve muita música. Ontem, o festival encerrou a primeira edição.

Depois de três dias intensos [pode ver aqui a cobertura do primeiro e do segundo dias], chegou ao fim o Braga Sounds Better (BSB). Durante a tarde de ontem, passaram pelo palco os The Silent Box e os Pé Roto. As Decibélicas trouxeram punk, uma novidade no festival, e conquistaram o público.

Rock e calor são difíceis de combinar. Os The Silent Box atuaram numa tarde que se fez bem quente, mas não deixaram que isso fosse um problema. Apesar de muita sede e os dedos cortados do baixista por estar a tocar, a banda contagiou os presentes com a sua presença em palco. Todos sentiam a música, que se fez ouvir com instrumentos frenéticos e com uma voz potente. “Real Deal” foi uma das músicas tocadas pelo grupo. Os The Silent Box mudaram o vocalista recentemente, sendo desde 2014 conhecidos como Black Rose Weekends.

“Vimos do buraco mais fundo de Braga e estamos aqui para estragar a festa”, começou por dizer o vocalista dos Pé Roto. A banda bracarense trouxe o seu pesado metal para o palco. Headbanging não faltou neste concerto com uma voz diabólica e com instrumentos enfurecidos. “Bracara Angvstia” foi uma das músicas ouvidas do grupo.

As Decibélicas marcaram presença em palco com seis elementos, com apenas um rapaz. Em “Televendas”, onde se ouviu “ligue já e ganhe uma viagem para o inferno” de forma demoníaca, o público esteve em êxtase e muitos foram os saltos dados no recinto. Sons diversos com a voz, ruídos baixos, gritos ferozes. O grupo deu tudo o que podia e o primeiro mosh, depois de três dias de festival, finalmente aconteceu. “O lixo é um luxo”, gritaram as artistas. A música “Lixo” fez com que os que assistiam atirassem para o palco garrafas que estavam espalhadas pelo chão.

O rock também esteve presente nas atuações dos Redlens e dos Plush. Com um vocalista, guitarra, baixo e bateria, a banda bracarense Redlens mostrou o que vale. “Viemos fazer barulho”, disse o vocalista. O grupo interagiu com o público e até com a zona vip. A música “Let’s Go” dos Ramones fez-se ouvir.  O grupo é recente, tendo surgido em setembro de 2017. Ainda num clima potente, os Plush mostraram que não é preciso voz para conquistarem todos.

A noite ficou marcada pelo trance, com Terpsycora e Katalipsy. Os artistas em palco contaminaram o público com toda a energia. Os presentes dançaram e saltaram, com copos na mão e camisas desapertadas. Já a chegar ao fim do concerto de Katalipsy, viram-se enormes bolhas de sabão a percorrer o céu. Alguns abriram espaço para as bolhas caírem no chão, enquanto que outros quiseram rebentá-las. O festival no Estádio 1º de Maio chegou ao fim, mas a festa continuou pelo resto da noite no Bar Académico de Braga.

Ainda durante a tarde, houve jazz com o grupo Ocenpsiea. Para dar inicio ao último dia do festival, atuaram as vencedoras do concurso de talentos de escolas secundárias de Braga. Rita Pinto, da Escola Secundária Sá de Miranda, cantou “When We Were Young” de Adele; Alexandra Rodrigues, da Escola Secundária D. Maria II, “If I Ain’t Got You” de Alicia Keys e, por fim, Magna Silva, da Escola Secundária Alberto Sampaio, “Shot Me Down” de David Guetta.