Minhotos intrometem-se aos poucos entre os dois clubes lisboetas. Formação e trabalho de Paulo Tavares têm dado cartas, sendo que esta época foi exemplo disso.

O SC Braga/AAUM iniciou a temporada 2017/2018 com a ambição de repetir o feito da época anterior: atingir a final do campeonato. Não o conseguiu, mas deixou para trás uma época cheia de pontos fortes para continuar o projeto.

Aos poucos, os minhotos conseguem intrometer-se entre o domínio lisboeta (SL Benfica e Sporting CP). Para tal, este ano contou com vários novos jogadores, dos quais se destacaram o pivô brasileiro Cássio e o jovem português Ludgero Lopes. Nas saídas, Tiago Brito e André Coelho, para as águias, foram os mais badalados.

A turma bracarense estreou-se com uma vitória no campeonato: goleada por 5-0 frente ao FCU Pinheirense. O primeiro desaire surgiu apenas na reedição da final do ano transato. À quarta jornada, o SC Braga/AAUM recebeu o Sporting CP e perdeu por 1-4.

Num total de 30 jogos, incluindo o playoff, a equipa de Paulo Tavares somou 17 vitórias, cinco empates e oito derrotas. Os últimos dois desaires foram na meia-final da Liga Sport Zone frente ao SL Benfica – a equipa de Paulo Tavares chegou pela quinta vez consecutiva a esta fase da prova. Ao todo foram 102 golos marcados e 68 sofridos.

Na estreia na Europa, os bracarenses somaram seis jogos, tendo apanhado o Inter Movistar (atual campeão europeu) nos dois grupos em que estiveram inseridos. Conseguiram apenas duas vitórias e contabilizaram quatro derrotas. Não deixa de ser um apontamento histórico para um clube com pouco mais de dez anos de idade.

O SC Braga/AAUM chegou ainda aos quartos-de-final da Taça de Portugal, onde caiu perante o Modicus (6-2). Presentes na Final Eight da Taça da Liga, os Gverreiros perderam nas meias-finais frente ao SL Benfica, por 6-3.

Outro ponto a favor da época bracarense foi a conquista do título europeu pela seleção portuguesa. Com dois atuais jogadores (Vítor Hugo e Nilson) e três atletas com passado recente nos bracarenses (André Coelho, Tiago Brito e Fábio Cecílio), o SC Braga/AAUM foi um dos clubes preponderantes na conquista deste feito.