Roriz parou, mais uma vez, para deixar o rock passar. A décima-quarta edição do Souto Rock trouxe à pacata freguesia barcelense duas noites de muita música e energia. Aqui estão cinco coisas que perdeste se não foste ao Souto Rock.

Souto Rock 800 GOndomar

Diogo Rodrigues/ComUM

1. Os 800 Gondomar trouxeram o punk para um concerto hiperativo que não deixou ninguém indiferente. Um verdadeiro ponto alto do festival.

Black Bombaim Souto Rock

Diogo Rodrigues/ComUM

2. Os Black Bombaim tocaram pela primeira vez no Souto Rock em 2009. Nove anos depois, regressaram ao palco de Roriz para encerrar o primeiro dia do festival. O espírito energético dos barcelenses contagiou o público e levou um elemento a invadir o palco.

Souto Rock Lubi

Diogo Rodrigues/ComUM

3. Quando se anda pela rua que alberga o festival, não é estranho encontrar Luby. A cadela é quase a mascote do Souto Rock. Apesar da longa idade e da ceguês, Luby ainda gosta da companhia dos festivaleiros e de passear no meio do rock.

Souto Rock Doutor Assério

Diogo Rodrigues/ComUM

4. A banda de Leonel Miranda, organizador do festival “meteu uma cunha” para tocar no segundo dia. Os Doutor Assério tocaram, literalmente, a 10 metros de casa, para um público que conhece muito bem o  trabalho desenvolvido pela banda. Ficou tudo em família.

 

Souto Rock o Gringo sou eu

Diogo Rodrigues/ComUM

5. Na tarde de sábado, O Gringo Sou Eu trouxe o rap de intervenção ao Moinho da Carreira Alvito S.Martinho. Rodeado por campos de milho, o rapper brasileiro despiu-se dos microfones para cantar e tocar pandeireta no meio do público, que se protegia do sol, debaixo da sombra das árvores.