A autarquia pretende que, em 2019, seja aplicada uma taxa turística a quem visite a cidade berço. O valor ainda não foi estabelecido.

Guimarães quer aplicar uma taxa a quem pernoita nas unidades de alojamento da cidade. O anúncio foi feito pelo presidente do município, Domingos Bragança, na reunião camarária desta quinta-feira. A autarquia está ainda a realizar um estudo, de forma a obter dados concretos sobre a afluência turística de Guimarães.

O objetivo é obter receitas para a preservação do património histórico e recuperação de edifícios históricos, que necessitam de reabilitação urgente, como a Igreja da Oliveira ou a Igreja Santa Marinha da Costa. O dinheiro angariado ajudará na reabilitação de alguns imóveis que são da tutela da Igreja e do Ministério da Cultura.

O autarca deu a conhecer que a cidade tem tido uma elevada afluência turística. “Hoje, para respondermos em qualidade à pressão turística na cidade – que queremos que abranja todo o território municipal, como Taipas, Serzedelo ou Citânia de Briteiros – precisamos de preservar o nosso território”, acrescentou.

Segundo Domingos Bragança, a implementação da taxa não vai afastar visitantes nem prejudicar o alojamento local: “a experiência que temos é que, quando visitamos outras cidades, não nos importamos de pagar um ou dois euros pelo alojamento por dia”.

Para já, Lisboa, Porto, Cascais e Santa Cruz (Madeira) são os municípios portugueses que aplicaram uma taxa turística.