Em outubro de 2014, formava-se o Núcleo de Alunos de Engenharia Mecânica da Universidade do Minho (NAMecUM). Era o início de uma nova era para os estudantes e para o próprio Departamento de Engenharia Mecânica, que viam agora os seus interesses e problemas defendidos por aqueles que os melhor compreendiam: os estudantes.

Porém, os primeiros passos do NAMecUM foram difíceis. Para além das dificuldades comuns, como a falta de financiamento e espaço próprio, o pouco interesse dos estudantes pelo associativismo tornava difícil a realização de atividades com auditórios e salas cheias. Felizmente, esta tendência tem sido revertida e o nível de interesse aumentou, o que se reflete no número de sócios. Neste momento, o NAMecUM conta com mais de 150 sócios, número que se espera aumentar com a recente entrada dos novos alunos.

Desde o início que um dos objetivos do NAMecUM é a organização de um Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica (ENEEM). Esta ideia veio a materializar-se quando a atual direção apresentou uma candidatura à sua organização. Assim sendo, o próximo ENEEM terá lugar pela primeira vez em Guimarães, em abril de 2019, no campus de Azurém da Universidade do Minho.

Apesar de ainda continuar com vários problemas, a verdade é que o campus de Azurém tem vindo a crescer e a ver as suas condições melhoradas. Quando os alunos se queixaram de a biblioteca ser demasiado pequena, construiu-se um novo edifício com melhores condições. Além disso, as péssimas condições de acesso à Residência Universitária e à Associação Académica da Universidade do Minho foram recentemente alvo de uma requalificação, pelo que neste momento apresentem um acesso renovado.

Apesar do crescimento e renovação do campus de Azurém, ainda existem problemas a resolver. Quanto tempo mais têm os estudantes que esperar para terem um edifício protegido da chuva? Além disso, os laboratórios associados ao Departamento de Engenharia Mecânica continuam a ser demasiado pequenos para o número de alunos que os utilizam. Ademais, os testes laboratoriais são mais baratos em empresas externas do que dentro da Universidade do Minho, pelo que até os próprios professores preferem fazê-los fora dos laboratórios do Departamento, acabando por atrasar resultados.

Apesar da motivação e confiança, temíamos que o ENEEM saísse prejudicado pelas já conhecidas e referidas más condições do campus de Azurém. Se a própria direção já tinha sido obrigada a mudar a sala de uma reunião por causa da queda de chuva, o que poderia acontecer num evento que reunia mais de 300 estudantes e várias atividades por dia? Não negamos que, a início, tivemos vários receios e preocupações, o que não desmotivou a equipa.

A direção do NAMecUM e a Comissão Organizadora do VII Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica esperam que, tal como outros problemas, também este seja resolvido com alguma prontidão. A verdade é que todos os anfitriões gostam de mostrar a sua casa nas melhores condições e seria deveras desagradável receber alunos e empresas externas em mau estado. De tudo faremos para que estes problemas sejam resolvidos até à realização do ENEEM, em abril de 2019. Como diz o provérbio, “Em abril águas mil”.