Damien Jurado regressou aos palcos portugueses com o disco "The Horizon Just Laughed". O som do folk ecoou pela plateia e apaixonou os seus ouvintes na Sala Principal do Theatro Circo, em Braga.

Damien Jurado atuou, na passada quarta-feira, na Sala Principal do Theatro Circo. O concerto inseriu-se na tour de apresentação do seu mais recente trabalho “The Horizon Just Laughed”.

A primeira parte ficou ao cargo de Nacho Casado, artista pop de origem espanhola. Durante meia hora, o músico de Barcelona exibiu temas do seu disco “Verão” e anunciou que acompanhará Damien Jurado na sua tour pela Península Ibérica. O músico acabou por confessar ao público bracarense a emoção que sentiu por ali estar.

Carina Fernandes / ComUM

Depois de um curto intervalo, Damien Jurado subiu ao palco, para uma atuação marcada pela sua postura leve e descontraída. Tocou, maioritariamente, temas do seu novo álbum “The Horizon Just Laughed” mas, também, alguns mais antigos.  A ovação do público foi efusiva em temas como “The Last Great Washington State” e “Cloudy Shoes”.

A música “Marvin Kaplan” mereceu uma explicação especial acerca da razão por trás do seu título: partilha o nome com um dos atores favoritos do artista, e este partilhou, também, com a plateia, a sua própria interpretação sui generis da série em que Kaplan entra. A partir da visualização obsessiva da série, aquando da escrita do seu novo álbum, surgiram questões na mente de Damien. Reflexões acerca da realidade e da interpretação da mesma: “acontece algo nas digressões que é começarmos a questionar a nossa realidade. Às vezes tenho este verdadeiro medo de que um dia irei acordar e terei 12 anos de idade”, explicou o músico, expressando a possibilidade de a sua vida, até ao momento, não ter passado de imaginação ou de um sonho.

O artista fez ainda um tributo a Richard Swift, amigo e músico com quem já tinha trabalhado no passado, ao tocar temas como “Beautiful Heart”, “The Novelist” e “Exit 353”. Swift falecera em julho do presente ano, depois de complicações de saúde resultantes de um estilo de vida ligado ao abuso de álcool.

Pouca luz, sons em todo o redor, acordes de guitarras e uma voz autêntica, limpa e intensa. Foi esta a envolvência gerada na sala principal do Theatro Circo, num serão quase “mágico”, proporcionado por Damien Jurado.