O mais recente romance de John Green, Mil Vezes Adeus, chegou a Portugal em novembro de 2017 e rapidamente se infiltrou nos tops de vendas. Apesar do sucesso, o livro mostrou-se muito abaixo das expetativas, faltando-lhe a força e magia típicas dos best sellers do autor.

Este romance, com o título original Turtles all the way down, é o quinto livro de John Green. Utilizando uma citação do livro, “São tartarugas até ao infinito”, o autor fala da personagem Aza Holmes e das suas relações intrapessoais e interpessoais.

Aza é extremamente ansiosa, já leu inúmeras vezes a introdução da Wikipedia sobre o “microbioma humano”, e sempre se sente aterrorizada pelo facto de existirem milhões de bactérias no interior do seu corpo. Para além disso, o risco de ser infetada pela bactéria Clostridium difficile, que quase não acarreta quaisquer sintomas, mas que pode chegar a levar à morte, também é algo que a assusta. A jovem tem consultas regulares com a psiquiatra, a doutora Singh, devido a “pensamentos invasivos” que dificultam o seu relacionamento interpessoal.

As únicas pessoas com quem Aza consegue manter uma relação, mesmo assim com alguma dificuldade, são a mãe, a melhor amiga Daisy, e Davis. Este último é um rapaz por quem sente uma afinidade profunda, pois ambos se conheceram aos sete anos, num acampamento para crianças que tinham perdido um dos seus pais.

John Green

O enredo principal da história desenvolve-se em torno do desaparecimento de Russell Pickett, pai bilionário de Davis, que após uma acusação de corrupção, fugiu de casa a meio da noite e nunca mais regressou. Em jogo estão cem mil dólares, o que faz com que a amiga Daisy rapidamente fique fascinada com o mistério e tente reunir Aza com Davis.

Entre todas as personagens, as mais normais parecem mesmo ser a psiquiatra e Noah, o irmão mais novo de Davis, porque todos os outros têm um ponto de loucura. Aza, pelos seus pensamentos invasivos, que atuam como várias versões dela mesma e a forçam a tomar atitudes perigosas. Davis, por ainda não ter superado a morte da mãe e recear cada vez mais a do pai. Daisy, por ser uma rapariga extremamente extrovertida e que é muito conhecida por escrever ficção de fãs de Star Wars. A mãe de Aza, por sua vez, também ainda não ultrapassou a morte do marido e tem um medo enorme de perder a filha. E Russel Pickett, o bilionário desaparecido, que deixa, no seu testamento, todos os seus bens ao seu lagarto.

Esta obra tenta explicar de forma crua o quanto custa superar a perda de alguém próximo, e o universo da ansiedade e dos problemas mentais e como podem afetar a vida, tanto pessoal como social, de qualquer pessoa. No entanto, apesar de tratar uma temática forte, o livro não consegue cativar da mesma forma o leitor, ou mesmo sensibilizá-lo para o tema. Aqui, John Green não tem a mesma intensidade de todas os suas obras anteriores, pois falta-lhe o romance, a ação, e a experiência. Falta-lhe aquela magia que apimentou todos os outros livros que escreveu e que fez os leitores elevarem cada vez mais as expetativas.

Mil Vezes Adeus é, portanto, uma obra que se mostrou muito aquém das expetativas, embora não deixe de ser um ótimo livro para explorar o universo de um adolescente com problemas mentais.