Todos os trabalhadores mantêm os seus postos de trabalho.

O Hospital de Braga deixa de ser uma Parceria Público-Privada (PPP) e volta para o domínio público, a partir de 1 de setembro. O Grupo José de Mello Saúde (JMS) e o Ministério da Saúde não chegaram a acordo para a renovação do contrato, devido a desentendimentos no valor dos contratos.

Num comunicado enviado à Lusa, o parceiro privado considerou que a renovação da PPP, proposta pelo Estado, devia “assegurar a sustentabilidade financeira, o que não se verifica”. Segundo a JMS, “seria insustentável para a parceria” suportar custos que poderiam chegar aos 50 milhões de euros.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, garantiu esta sexta-feira, após uma reunião com Administração Regional de Saúde do Norte e com o Conselho de Administração do Hospital de Braga, que os cerca de 2800 postos de trabalho estão assegurados.

“A transição dos trabalhadores [para a entidade pública] será automática”, sendo que os funcionários continuarão a usufruir das mesmas condições que têm atualmente.

Quanto a um novo concurso para a gestão do hospital, Francisco Ramos afirma que a decisão “vai ficar para o próximo Governo”. Até lá, cabe ao Estado gerir aquele que “foi considerado, por inúmeras entidades, públicas e privadas, como um dos melhores hospitais do país”, refere a JMS.