Num concerto repleto de significados, Selma Uamusse trouxe o seu álbum “Mati” à Sala Principal do Theatro Circo, em Braga.

Na passada sexta feira, a cantora Selma Uamusse atuou na Sala Principal do Theatro Circo, onde apresentou o seu último álbum denominado “Mati”, um trabalho que demonstra as suas raízes moçambicanas de uma forma peculiar.

“Mati” significa água, algo que faz parte da essência de todos nós e, pegando nessa imagem, Selma Uamusse pretende que este álbum seja como a água, um conceito universal, comum a todos, e de todos. Neste trabalho, a cantora compromete-se a exibir as suas raízes africanas através de uma mistura da música tradicional moçambicana com um toque de modernidade através da música eletrónica.

Com uma enorme energia em palco por parte  da artista, foi possível ouvirem-se temas como “Hope”, que fala sobre um dos principais pilares na vida da intérprete, a esperança. “Mati” também integrou o concerto, música que dá nome ao álbum. Para além destas canções, outras como “Mozambique”, que pretende retratar a agitação do dia a dia, “Ngono Utane Vuna Kudina”, o primeiro single do álbum e que revela a importância da união entre as pessoas, e  “Funkier Than a Mosquito’s Tweeter”, original da cantora afro-americana Nina Simone, integraram a atuação.

No decorrer de todo o espetáculo , Selma procurou proporcionar um ambiente acolhedor e descontraído, atuando descalça e procurando sempre a interação com o público. Por vários momentos, preferiu trocar o palco e ir para junto da plateia, provocando uma imediata adesão por parte de quem assistia ao concerto, vibrando efusivamente com toda a energia da artista.

Houve ainda espaço para algumas confissões da moçambicana, referindo que, em cada espetáculo, gosta de dar o melhor de si e de o receber em troca, e como tal, admitiu estar positivamente surpreendida pela boa energia retribuída pelos espetadores.

O álbum “Mati” foi acolhido com agrado por parte de quem esteve presente, num concerto que ficará, sem dúvida, na memória do público.