13ª edição da RoboParty realizada em Guimarães reuniu 500 participantes para construir robôs móveis autónomos.

Desde quinta-feira até sábado, o Pavilhão Desportivo do Campus de Azurém recebeu vários agrupamentos e escolas secundárias de todo o país. A RoboParty é considerada o maior evento de robótica do mundo que ensina os jovens a criar robôs móveis e autónomos de forma descontraída e divertida.

Segundo o coordenador do evento, Fernando Ribeiro, “o principal objetivo é construir robôs, o segundo é divertirem-se”, daí o nome da iniciativa ser RoboParty. Os participantes aproveitaram as atividades lúdicas e desportivas, tal como o ténis de mesa, o xadrez, e corridas de estafetas para fazer pausas do processo da construção dos robôs. No final, levaram os robôs construídos consigo de modo a “continuar a sua aprendizagem, ou na escola, ou em casa, no ambiente próprio”.

A essência do evento são os três desafios robóticos: a prova de obstáculos, a prova de corrida e o desafio de dança. As três melhores equipas ganharam um troféu que “não tem qualquer valor monetário, é uma recordação”, afirma Fernando Ribeiro.

Uma das novidades desta edição foi a participação da Universidade Sénior D. Sancho I, de Almada, que veio pela primeira vez à RoboParty. Maria Rosa, que fazia parte da equipa, apreciou “o contacto com a gente jovem”, pois “incentiva a despertar para outra realidade” que é a da robótica. A participante confessa que aprendeu muito com o contacto com os jovens, mesmo não tendo tido nenhuma experiência com a eletrónica e a robótica.

Já houve 12 edições em Guimarães, duas em Lisboa e uma no Brasil, na Alemanha e no Canadá, sendo a próxima na Dinamarca, em setembro. O evento conta com apoio permanente de 110 estudantes do curso de Engenharia Eletrónica Industrial e Computadores da UMinho.