O reaproveitamento e utilização de plásticos e de polímeros para a produção de energia foram debatidos entre alunos e docentes.

O Núcleo de Estudantes de Engenharia de Polímeros (NEEP) realizou, entre terça e quarta feira, as II Jornadas de Engenharia de Polímeros. A iniciativa deste ano alertou para o facto de a indústria dos plásticos caminhar lado a lado com a inovação.

Sob o mote ‘’Capacitação e Inovação’’, a atividade contou com a presença de professores do departamento de Engenharia de Polímeros e ainda de docentes de outros cursos e universidades com o intuito de “chegar a um consenso relativamente ao papel dos plásticos na economia”, refere Tiago Alves, presidente no NEEP.

No dia 9 tiveram lugar os workshops e as apresentações de empresas que tiveram como objetivo “capacitar os alunos” não só de Engenharia de Polímeros, mas também todos os estudantes que se inscreveram devido “à variedade de temas” apresentados nestas Jornadas, explicou Tiago Alves. Ainda neste dia, foi destacado o facto de um auditório de 120 lugares ter lotado.

Já o segundo dia de Jornadas ficou marcado pelo debate sobre “a indústria dos plásticos no futuro”, nomeadamente “em termos de reaproveitamento de plásticos e de utilização de polímeros e plásticos para a produção de energia”, como esclareceu o presidente do NEEP.

Além disso, este dia foi marcado por uma conversa aberta com antigos alunos do curso, com vista a esclarecer como o projeto individual (a tese e o doutoramento) pode influenciar o futuro, bem como “perceber a versatilidade de antigos alunos e como o curso os capacitou de forma a que pudessem desenvolver um papel inovador na sociedade”.

Para o representante do núcleo, a iniciativa “correu bem em ambos os dias”. A atividade do NEEP contou com cerca de 150 participantes. A TecMinho, a CENTIMFE e a ZF foram algumas das empresas presentes nas II Jornadas de Engenharia de Polímeros.