A Biblioteca Secreta de Leonardo é a obra que leva o leitor a entranhar-se na mente do grande Da Vinci, que mais do que um esplêndido pintor, era um magnífico curioso. Lançado em outubro de 2018, é o mais recente livro do autor italiano Francesco Fioretti.

Leonardo Da Vinci é, até aos dias de hoje, famosíssimo pelas suas obras de pintura magníficas e algo desafiadoras para a sua época. No entanto, nesta obra, Fioretti mostra-nos um lado diferente do artista: o seu lado curioso, com as suas perguntas infinitas sobre tudo o que o rodeia. Tal como o livro diz: “Aquilo que realmente vos deixo, em pintura ou em papel, são as minhas perguntas. A coisa mais bela que tenho para vos dar, a mais preciosa…”, seguindo-se uma infinidade de questões típicas de um génio.

Francesco Fioretti

Toda a história se desenrola em torno de um crime, uma mão direita cortada e um nobre disfarçado de frade morto pelas costas no seu próprio quarto. Um crime apenas justificado por alguns livros, que seriam únicos e, assim, perigosíssimos nas mãos erradas.

Para a solução deste crime, Leonardo conta com o auxílio de dois grandes amigos: Gian Giocomo, ou como o protagonista lhe chama, Salaí, o seu aprendiz e ladrão compulsivo sem remédio, de 15 anos; e frei Luca Paciolo, um frade franciscano e grande génio matemático. Juntos irão arriscar-se por uma Itália assolada pela guerra entre vários grupos que desejam alcançar o poder.

Uma obra com um fio condutor muito bem pensado, que guia o leitor mesmo por entre os pensamentos do próprio Da Vinci, para tentar solucionar o seu enigma com ele. Para envolver ainda mais o leitor neste mistério, o autor conseguiu algo inovador: uma réplica do eicosiexaedron numa aplicação para android, que permite ao leitor tentar mesmo resolver o enigma, através de informações que lhe são dadas ao longo de vários capítulos da obra. Estes capítulos com informações são também muito interessantes, porque para além dos 18 normais, estes são capítulos à parte, distribuídos pela obra com o alfabeto grego, muito curtos e com vários apontamentos do artista. Sem dúvida uma grande inovação na literatura, uma obra que se liga agora com a tecnologia.

Outro ponto muito bem pensado é o facto de Francesco Fioretti narrar fielmente o processo de criação do próprio Leonardo com as suas obras. Trata-se de todo um processo demorado de pesquisa anatómica, em que o artista chega a copiar os rostos de pessoas que conhece para as personagens das suas telas. A paixão mórbida do pintor pela dissecação de corpos está também presente, o que demonstra ainda mais a sua procura pelo perfecionismo anatómico, pela obra perfeita.

A presença do eicosiexaedron, do teorema de Euclides e de um retrato de frei Luca Pacioli cheio de desafios matemáticos são pistas fantásticas e realistas para a solução do enigma. Podem levar também, por outro lado, o leitor ao cansaço e à confusão, se não forem grandes génios como frei Luca e Leonardo Da Vinci.

A Biblioteca Secreta de Leonardo é, sem dúvida, uma obra muito interessante pelos inúmeros desafios que faz ao leitor. Mesmo não se tratando de uma obra de uma grandeza extraordinária, consegue criar um quadro inesquecível de uma Itália renascentista e do próprio Leonardo que o leitor nunca irá esquecer. Esta é uma obra mais do que para ler, para decifrar.