Partidas, valores e motivações para fazer voluntariado foram alguns dos temas partilhados no evento “Semear é Acolher”. A cerimônia, que partiu de um grupo de alunos de Ciências da Comunicação, pretendeu partilhar as experiências de voluntariado do Projeto Sementes. O Centro Pastoral Universitário albergou, esta quinta-feira, o evento que contou com a presença de Francisca Leite, André Cardoso e Maria Manuel Pereira.

A aluna de medicina, Maria Manuel Pereira, admitiu que ingressou no projeto pela vontade que tinha de “fazer mais e dar mais aos outros”, mesmo que tenha descoberto o projeto por acaso. “Descobri o sementes através de uma professora que já costumava fazer voluntariado”, confessou. Contudo, André Cardoso acredita que desde se inscreveu no projetou a sua perspetiva mudou. “Inicialmente, eu queria fazer por mim, ao longo do ano apercebi-me que queria fazer para os outros”, disse o estudante.

Sem deixar o tópico das partidas de parte, os alunos acham difícil esquecer o tempo que passaram em África. “Vamos pensar sempre naquelas pessoas e no tempo que passamos lá”, expôs Francisca Leite. A aluna salientou, ainda, que mantem o contacto com as pessoas que conheceu lá. “Ainda no outro dia um deles ligou-me durante uma aula”, relembrou.

O “voltar à rotina” foi outro dos assuntos abordados. Os alunos confessaram que a experiência de voluntariado ajudou-os a dar mais valor à vida que tinham em Portugal. “É acordar e pensar: há estradas sem buracos, não há lama por todo o lado, há regras de transito”, confessou André Cardoso.

Maria Manuel Pereira mantem a esperança de quando acabar o curso “ajudar de alguma forma”. Este ano, outros “sementinhas” vão para diferentes sítios do continente africano. Como é o caso de Daniela Carneiro, que prefere “não ter expectativas” quanto à sua missão.

O evento contou, também, com a animação musical de um grupo de estudantes proveniente da Guiné Bissau e Diogo Agapito e Catarina Carvalho.