Numa parceria com o Instituto Nacional de Artes do Circo (INAC), a Casa das Artes de Famalicão dá início a várias apresentações de circo contemporâneo, intitulado “À mostra”.

A estreia de “À mostra” deu-se na passada segunda-feira na Casa Das Artes, em Famalicão, com os primeiros trabalhos profissionais dos finalistas do INAC.

Mal o público começou a entrar na sala, os artistas já rodopiavam, saltavam e faziam malabarismos por todo o palco, como se ninguém os estivesse a observar. O espetáculo ainda não tinha iniciado, mas parecia que já. O seu início oficial começou quando as luzes se apagaram e os artistas encheram a Casa das Artes de circo contemporâneo. A primeira apresentação da noite, “Raízes”, teve o seu texto baseado no livro “A Desumanização”, por Valter Hugo Mãe, e contou com a performance de todos os finalistas.

De seguida, deu-se a performance da artista Greta Miguelez, intitulada “Fora do Normal”. Uma rapariga, uma bicicleta sem uma roda e alguns objetos espalhados pelo palco. Foi assim a primeira imagem apresentada, sem nunca se saber o que poderia acontecer. Greta brincou com várias rodas que encaixava na bicicleta e, mais tarde, começou a tentar arranjá-la. A artista sentou-se então nela e começou a andar. Sentada no volante e com as mãos no assento, andou com a bibicleta para a frente e para trás, com um, dois ou mesmo sem pés. A performance chegou ao final quando Greta recebeu um telefonema e se percebeu que a dona da bicicleta não era ela e que esta estava apenas a arranjá-la para o verdadeiro dono. A artista mostrou um ar de tristeza por não poder andar mais com a bicicleta, pegou nas suas coisas e saiu de palco, recebendo por parte do público uma salva de palmas.

A última atuação da noite foi a de Pablo Rubio Ruiz, que subiu ao palco com a sua performance “Ilinx”. Desta vez, só se encontrava Pablo e um colchão e, enquanto o artista vagueava pelo palco, um zumbido encheu a sala e uma corda caiu do teto, à qual começou a subir. Ao longo da performance, pequenos objetos iam caindo à sua volta e Pablo reagia com intriga e medo, escalando a sua corda para tentar fugir. No entanto, começaram-se a ouvir vozes e risos que ecoavam por toda a sala e o artista não viu escapatória delas. Dessa forma, Pablo foi de encontro a estes objetos e começou a tocar-lhes como se procurasse uma resposta neles, mas acabou por desistir e atirou-os para fora do palco. Foi a partir deste momento que Pablo começou a rir-se sozinho, enquanto sobia e descia a sua corda, aproximando-se cada vez mais do público. A performance chegou ao fim quando o artista amarrou a corda ao pescoço e saiu do palco, deixando a corda com um nó de forca. Mais uma vez, Pablo recebeu uma ovação em pé por parte do público.

O INAC é um polo internacional dedicado às artes do circo, onde estudam jovens artistas de vários países como França, Espanha, Alemanha, Inglaterra, Grécia, Brasil, Costa Rica, Israel, Colômbia e Portugal. No fim do espétaculo, todos os finalistas foram chamados ao palco, assim como todo o ano técnico para receberem os diplomas de conclusão do ano letivo.

“À mostra” conta ainda com o resto das apresentações a solo dos finalistas até ao dia 22 de junho.