O grupo trouxe à sala principal do Theatro Circo alguns dos seus últimos trabalhos, bem como algumas músicas mais antigas e emblemáticas.

De passagem por várias cidades portuguesas, Francisco, el Hombre fez paragem no sábado passado em Braga, onde atuou no Theatro Circo. A banda tem como referência a convergência de estilos, como o rock e a música latina, que se encontram presentes nas músicas que integraram o espetáculo.

Através de instrumentos, desde guitarras e bateria, até a alguns tradicionais, como pandeiretas ou batuques, temas da atualidade política e social tiveram voz como forma de união de todos em prol de uma sociedade melhor.

O mais recente álbum “Rasgacabeza” fez-se ouvir com músicas como “Chama adrenalina: gasolina”, “Chão teto parede: pegando fogo” ou “Parafuso solto: ponto morto”, que tem como mensagem principal o apoio mútuo, a entreajuda.

O álbum anterior “Soltasbruxa” fez igualmente parte da atuação através de “Tá com dólar, tá com Deus”, “Calor da rua”, “Bolso nada”, sendo esta canção uma crítica a Jair Bolsonaro, o atual presidente do Brasil, e também o apelo à união das mulheres foi relatado através de “Triste, Louca ou Má”.

Ao longo de toda a performance foi notória uma grande energia e irreverência em placo de todos os elementos da banda que, em conjunto com os ritmos alegres das músicas, contagiaram o público, proporcionando momentos de entusiasmo e admiração.