Após as duas primeiras sessões de sábados de concertos no Parque de Guadalupe, foi a vez de Bloom e Memória de Peixe atuarem no palco das Lazy Sessions.

Os projetos acústicos que preencheram o Parque Guadalupe, este sábado, têm ambos como “elo de ligação” o guitarrista Miguel Nicolau. Selecta Alice foi a DJ convidada da tarde.

Memória de Peixe, a banda constituída pelo membro que pertence a ambos os projetos que subiram ao palco de Guadalupe e pelo baterista Marco Franco, mantiveram a essência preguiçosa do evento com os seus temas inspirados no jazz rock. Miguel Nicolau demonstrou bastante apreço em retornar a Braga. A banda começou por apresentar músicas do seu álbum de 2016, “Himiko Clound”. Perto do final do concerto, Memória de Peixe entoou alguns dos temas que pertencem ao seu novo disco. A nova coletânea de músicas da banda mostrou-se um pouco mais calma, apesar de continuar a transparecer a veia do indie rock.

Os primeiros pés que pisaram o palco do Parque Guadalupe foram os de Bloom. O projeto levado a cabo por JP Simões, que também esteve na administração desta sessão do evento, contou com Miguel Nicolau na guitarra elétrica e JP Simões na guitarra acústica e na voz. O vocalista não cantava nem mostrava apenas as suas músicas, mas também falava sobre as canções que entoou no coração da cidade bracarense.

O músico de Bloom apresentou o seu álbum “Tremble Like a Flower” com a música que partilha o nome com o seu disco de estreia. O vocalista admitiu também cantar em inglês “para ter mais clientes”. Depois de contar uma história que experienciou no Brasil, tocou o tema que na altura que visitou o país do samba se chamava “Dança da Chuva” e agora o traduziu para “Rain Dance”. Para terminar a sua apresentação, tocou uma música que falava sobre desencontros. Toda a atuação de Bloom enquadrou-se no espírito que as Lazy Sessions têm vindo a assumir. Principalmente, pelo à vontade de JP Simões, que conversou com o público heterogéneo relaxado nas camas de rede, espreguiçadeiras e nas mantas que se estendiam pelo jardim.

“Alice from Wonderlands” foi a canção que JP Simões utilizou para homenagear e agradecer Selecta Alice, após falar de como esta não iria continuar a pôr música, mas sim a “selecionar música do mundo”. Fazendo jus ao seu nome, Selecta Alice selecionou durante toda a tarde os temas do planeta, não os elegendo apenas, mas também os misturando. A DJ convidada fundiu mais do que sons, juntando também etnias e partes do mundo. A música que criou nos seus conglomerados musicais não lembrava só diferentes estilos, sugeria também a comunhão de várias culturas.

As Lazy Sessions terminam as suas edições de 2019 no próximo sábado, onde se poderão assistir a concertos de Grandfather’s House e Palas, com a curadoria da RUM e RUM soundsystem como DJ convidado.