Em dia de conferência de extrema-direita em Lisboa, a Frente Unitária Antifascista marcha contra os neonazis europeus.

O protesto antifascista a realizar-se sábado, dia 10 de agosto, pretende mostrar que “em Portugal, neonazis não são bem-vindos, nem hoje, nem nunca”. Vários núcleos antifascistas vão juntar-se em Lisboa para afirmar e proteger a democracia e a liberdade. A iniciativa partiu do Núcleo Antifascista de Braga e do Porto.

Segundo Jonathan Ferreira da Costa, do Núcleo Antifascista de Braga e Frente Unitária Antifascista, a organização da conferência de extrema-direita estava já a ser seguida no fórum de Mário Machado, líder da Nova Ordem Social. Este foi o mesmo grupo que organizou uma homenagem a Salazar, em fevereiro deste ano e, ainda, a campanha do “Dia do Orgulho Branco” em junho.

O principal objetivo do protesto é, afirma Jonathan, “dar um sinal claro de que o povo não quer desta gente no nosso território, e que sempre seremos mais do que eles a ocupar as ruas principais”. Para além disto, existe ainda uma petição que pretende “forçar os partidos a se posicionarem sobre este assunto que, até hoje, vieram a ignorar”.

Foi ainda confirmada a falta de apenas duas assinaturas para a petição ser apresentada em Assembleia da República. “Alguma comissão vai ter que nos ouvir”, esclarece ainda.

O trajeto da marcha começa na Praça do Rossio e termina no Largo de Camões. De acordo com Jonathan Ferreira da Costa, a ideia base deste trajeto é “mostrar que enquanto eles [neonazis] foram obrigados a ficar na periferia, o povo e os antifascistas ocupam o centro da cidade”.

A Mobilização Nacional Antifascista é apoiada por várias organizações. Entre elas destacam-se a SOS Racismo e o Movimento Alternativa Socialista. O Serviço de Informações de Segurança (SIS) está também a seguir de perto esta conferência em Lisboa.