Projeto conta com o investimento de meio milhão de euros. O mosteiro tem origem anterior a 1090.

Com um prazo de execução de 270 dias, a obra de reabilitação do Mosteiro de Santo André de Rendufe, em Amares, arranca dia 19 de agosto. De acordo com a Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN), procura-se conter a degradação do espaço interior e do espólio artístico do seu recheio.

“Pretende-se com este projeto dotar os espaços do Mosteiro de Rendufe de condições adequadas à sua fruição por parte do público, sem perder de vista o seu potencial em termos arquitetónicos, históricos e culturais”, sublinha o comunicado da DRCN.

A intervenção sobre o imóvel de interesse público apresenta um investimento de 504 mil euros e incide na igreja, na capela-mor e capela do Santíssimo Sacramento, na antessacristia e sacristia e no alpendre do adro.

De acordo com o DRCN, o Mosteiro de Santo André de Rendufe tem origem anterior a 1090. No entanto, da obra medieval nada resta devido a reformas posteriores. “A atual igreja data de 1716-1719 e recebeu valiosa talha barroca e foram edificados o claustro e a biblioteca. Após a sua extinção, em 1834, a igreja passou a paroquial e arruinaram-se as dependências monacais”.

A obra do mosteiro decorre ao abrigo de uma candidatura aprovada pelo Programa Norte 2020, no âmbito da Operação Mosteiros a Norte. O projeto está sobre a alçada da empresa Augusto Oliveira Ferreira e Companhia Lda.