Workshop sobre alterações climáticas e justiça climática marca fim-de-semana em Famalicão. A iniciativa tem entrada livre, sendo necessária inscrição prévia.

A Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, recebe, no próximo sábado, dia 23, um workshop sobre alterações climáticas e justiça climática. A iniciativa, que surgiu da organização conjunta entre a ZERO (Associação Sistema Terrestre Sustentável) e a Associação Famalicão em Transição, pretende apelar ao debate sobre os últimos dados mundiais relativos às alterações climáticas.

Simultaneamente, a sessão vai, ainda, dar a conhecer casos de cidadãos que abraçam um processo judicial contra a Comissão e o Parlamento Europeu, no qual exigem maior ambição nas metas traçadas para o combate às alterações climáticas. Neste sentido, vão ser apresentados factos, argumentos e histórias, juntando-se ao debate elementos de três famílias envolvidas no processo judicial, que ainda decorre no Tribunal Europeu.

Na sessão vão estar presentes alguns especialistas, entre os quais Francisco Ferreira, professor na Universidade Nova de Lisboa e presidente da ZERO, e Paulo Magalhães, jurista e fundador da Casa Comum da Humanidade. “Deve a proteção das pessoas face aos efeitos das alterações climáticas ser considerada como um direito humano?” e “A proteção das populações contra os efeitos das alterações climáticas é uma obrigação dos decisores políticos?” vão ser algumas das questões a abordar.

A tarde vai ficar marcada pela abordagem dos temas “O cenário de alterações climáticas. O hoje e o amanhã!”, por Francisco Ferreira, e também “O Sistema Terrestre é um Bem Comum indivisível, mesmo sobre um ponto de vista jurídico”, por Paulo Magalhães.

A temática “tem envolvido cada vez mais pessoas, principalmente jovens, que estão mais sensibilizados e informados sobre este tema”, afirma Catarina Oliveira, da Associação Famalicão em Transição. Salienta ainda que “é pertinente e importante as pessoas estarem informadas, porque muito se fala e se contesta. Porém, é preciso ter uma informação base que dê a possibilidade de discutir a sério sobre o assunto”.

O evento vai ainda ter a presença de Paulo Cunha, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Pedro Álvares Ribeiro, Presidente da Fundação Cupertino de Miranda, e Manuela Araújo, Presidente da Associação Famalicão em Transição.