Este ano, duas reportagens do ComUM estão nomeadas para os prémios. O ComUM venceu o ano passado.

A reportagem “Entre o éter e o digital, “a rádio é aquilo que somos”“, da autoria de Diogo Rodrigues e Rui Araújo, e a reportagem “Está o desporto adaptado à deficiência?“, de Diogo Matos e Tiago Barquinha Gonçalves, encontram-se nomeadas na categoria de Ciberjornalismo Académico, atribuído pelo Observatório de Ciberjornalismo. Os vencedores são conhecidos na quinta-feira da próxima semana.

Na mesma categoria encontra-se ainda nomeada a reportagem “Bairro do Cerco“, do #infomedia. As votações estão abertas ao público até sexta-feira e podem ser realizadas aqui. Existe, ainda, a apreciação do júri, composto por professores universitários, que atribui o prémio.

A cerimónia de entrega da 12ª edição dos Prémios de Ciberjornalismo decorre na próxima quinta-feira, dia 28 de novembro, no #5JOBCIBER – V Jornadas do Obsevatório do Ciberjornalismo., na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

O ComUM venceu o prémio nos anos de 2015, 2017 e 2018. No ano passado, a reportagem vencedora foi “Águas paradas movem o Tâmega?” , da autoria de Ana Maria Dinis e Ana Rita Martins. Há dois anos foi a grande reportagem “26 Km² de silêncio entre Portugal e Espanha“, de Paulo Costa e Pedro Esteves e, em 2015, “Por onde já não navegamos”, da autoria de Ricardo Castro e Rui Barros.