Com este frio precisamos de algo que nos aqueça o coração. Adopt a Highway estreou a 1 de novembro e é exactamente a solução para isso. Afirmo que seja um dos filmes que mais nos prende à televisão, devido ao impacto causado tanto na nossa cabeça como nesta máquina funcional que temos no peito.

O filme retrata a vida de Russel Millings, que fora condenado a 20 anos de prisão pelo tráfico de estupefacientes e pelo facto de ser a sua terceira condenação. Quando sai da prisão, ainda em liberdade condicional, o protagonista parece entrar numa nova realidade desconhecida e inabitável por ele anteriormente. Porém, aos poucos, vai refazendo a sua vida com um trabalho decente. Uma noite, encarregue de fechar o estabelecimento, Russel vai deixar o lixo nos contentores e encontra um bebé. Mal sabia ele que aquela criança iria mudar a sua vida para sempre.

Emocionante, incrível e transcendente. Estas são poucas das muitas palavras que poderia usar para descrever Adopt a Highway e o seu maravilhoso elenco. O ator principal, Ethan Hawke, teve um papel enorme e soube interpretá-lo na perfeição. De certa forma, o personagem terá sido um desafio. No entanto, é através das adversidades e surpresas que muitos atores se destacam. É o caso de Hawke, ao fazer o espetador sentir exactamente o mesmo que ele e ao enquadrá-lo no filme.

Adopt a Highway

O mais impactante em todo o trabalho foi a carta deixada a Russel pelo pai que já havia morrido. É utilizada uma linguagem simples e o discurso é apenas de deixar cair o queixo. Este diz que pensava muito em Russel quando ele estava na prisão, que de noite acordava a chamar o nome dele.

Porém, nesta bela elocução a frase que mais me fez pensar foi “eu amo-te, filho, isso não muda o passado, mas o passado também não pode mudar isso”. Foi nesse momento que me apercebi que o mundo ainda não está perdido, embora haja muita gente à nossa volta e a indiferença seja tanta que assusta se entre mil pessoas assim houver uma que se importe ainda vamos a tempo de ser salvos.

Outra coisa que salta à vista é o cenário, no qual o realizador usa cores mais frias para descrever o mundo em que vivemos e para mostrar a tristeza de algumas cenas que devem ser levadas a sério. Isto porque acontecem no dia a dia e contribuem para a podridão de valores pela qual a nossa sociedade é regida, como foi o exemplo da bebé deixada no contentor do lixo para morrer.

Assim a mensagem deixada por Adopt a Highway é que tanto a vida como as pessoas são passageiras. Por isso, não nos devemos apegar muito. Infelizmente, somos todos humanos feitos de carne e osso, e isso é inevitável. Também, se certas pessoas são postas no nosso caminho é por alguma razão. O importante é encontrarmos o nosso rumo e aproveitar a segunda oportunidade que nos é dada.