Minhotas controlaram durante grande parte do encontro, mas não conseguiram ser eficazes.

O SC Braga recebeu este domingo o SL Benfica, no Estádio 1.º de Maio, em jogo a contar para a 11.ª jornada da Liga BPI. As minhotas, campeãs em título, controlaram durante grande parte do tempo, mas acabaram por ceder por 0-2 perante as atuais líderes do campeonato.

Em relação aos encontros da jornada anterior, ambas as equipas apresentaram mudanças no onze inicial. Miguel Santos chamou ao onze as norte-americanas Denali Murnan e Shade Pratt para ocuparem os lugares de Francisca Cardoso e Farida Machia, o que permitiu a Hannah Keane voltar a ser a principal referência ofensiva do 4-3-3 bracarense. Do lado encarnado, Patrícia Llanos e Lúcia Alves foram substituídas por Nycole e Catarina Amado no 4-2-4 do técnico Luís Andrade.

O encontro começou com o SC Braga ligado à corrente. A equipa minhota foi a mais perigosa durante os primeiros 45 minutos e pressionou alto o SL Benfica, obrigando a equipa da Luz a perder várias vezes a bola no meio-campo defensivo. As arsenalistas destacaram-se nos duelos individuais a meio-campo, com Dolores e Denali Murnan muito ativas e a anteciparem-se às adversárias com frequência.

Ao minuto nove, Ágata Filipa deu o primeiro sinal de perigo, com um remate por cima da baliza de Dani Neuhaus, na sequência de um bom desenho ofensivo à esquerda. Pouco depois, Uchendu surgiu pela esquerda e cruzou para o desvio de Hannah Keane ao segundo poste. A bola passou perto da baliza das águias.

O SL Benfica conseguiu ao minuto 25 criar a única oportunidade de golo de que dispôs na primeira parte. Nycole descobriu a velocidade de Cloé Lacasse à esquerda e a canadiana, já dentro da área, atirou para a defesa de Marie Hourihan. Este foi, de resto, o único remate que as forasteiras conseguiram no primeiro tempo.

A segunda parte voltou a ter uma entrada mais forte da equipa da casa. A nigeriana Uchendu deu muito trabalho à defesa encarnada e ficou perto do golo em duas ocasiões. Aos 48 minutos o remate saiu ao lado e, quatro minutos depois, foi a guardiã Dani Neuhaus a evitar o 1-0 com uma grande intervenção.

O treinador do SL Benfica, Luís Andrade, deu início à «dança das substituições» com a troca de Catarina Amado por Geyse. A aposta revelou-se certeira por parte do timoneiro das águias, já que foi a internacional brasileira que abriu o ativo ao minuto 67, na sequência de um contra-ataque. A avançada do SL Benfica ganhou no corpo a corpo com Ágata Filipa e atirou forte e cruzado para o fundo da baliza de Marie Hourihan.

O SC Braga respondeu no minuto seguinte, com Vanessa Marques a ameaçar o empate com um cabeceamento que passou perto do alvo. No entanto, foi o SL Benfica quem voltou a marcar, à passagem do minuto 78. Jana não resistiu à tentação de cometer falta sobre Geyse dentro da área e Darlene, na conversão da grande penalidade, fez o 17.º golo na Liga BPI.

A capitã encarnada ainda voltou a ter uma soberana ocasião para fazer o 0-3, mas falhou na cara de Marie Hourihan. Na resposta, já perto do apito final, valeram à equipa benfiquista dois cortes em cima da linha de golo, que impediram que o SC Braga reduzisse para 1-2 na sequência de um pontapé de canto.

Na tabela classificativa, o SC Braga está agora a oito pontos da formação da Luz, que continua a somar por vitórias todos os encontros realizados. As minhotas seguem no terceiro lugar, a cinco pontos do Sporting CP.

As atenções das jogadoras comandadas por Miguel Santos viram-se agora para o jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal, no terreno do Marítimo. A partida está agendada para a próxima quarta-feira e é a última das Gverreiras do Minho no presente ano civil.