Golo ao cair do pano garante os três pontos para a equipa minhota

À procura de dar seguimento ao triunfo expressivo conquistado em Belém na passada jornada, o SC Braga recebeu, este domingo, o CD Tondela no Estádio Municipal de Braga.

A partida arrancou com os minhotos a controlar a posse de bola no meio campo defensivo dos visitantes, mas sem criar grandes oportunidades de perigo. A primeira oportunidade bracarense surgiu apenas á passagem do minuto 14, quando após uma jogada da autoria de Ricardo Horta pelo flanco esquerdo, Paulinho não conseguiu concretizar e atirou á malha lateral da baliza defendida por Claúdio Ramos. Aos 22 minutos, a equipa da casa voltou a provocar calafrios á defensiva tondelense, graças a um lance individual do jovem Francisco Trincão que, após entrar na grande área, cruzou á procura de um desvio para golo. Ricardo Horta, por meros centímetros, não conseguiu abrir o marcador.

Apesar do início dominador dos Gverreiros do Minho, o Tondela subiu as suas linhas e aos 36 minutos, na sequência de um livre, Bruno Wilson, ao segundo poste, cabeceou ligeiramente ao lado da baliza caseira. Apenas um minuto depois, a pressão mais avançada dos forasteiros deu frutos. Bruno Viana, em fase de construção recuada, tentou fazer chegar a bola até ao seu colega de setor Raúl Silva, mas Jhon Murillo estava atento. O avançado recuperou a bola e continuou até á área adversária, onde, no frente a frente com Matheus, não vacilou e colocou os beirões em vantagem, 0-1.

O SC Braga esboçou uma reação positiva logo após o golo sofrido, por intermédio de um remate de Ricardo Horta no coração da área, que foi desviado para pontapé de canto. Porém, fruto de mais uma desatenção da retaguarda minhota, os homens da Beira Interior tiveram hipótese de dilatar a vantagem. No entanto, o árbitro auxiliar assinalou posição irregular a Denilson. No último suspiro da primeira parte, Paulinho cabeceou para defesa simples de Claúdio Ramos e o duelo foi, assim, para o descanso com os visitantes a vencer por 0-1.

Em resposta a esta situação de desvantagem, Rúben Amorim lançou de uma assentada Galeno e André Horta, ao intervalo. O SC Braga entrou na segunda parte de forma pressionante e nos dois primeiros minutos criou duas chances para empatar a partida. Primeiro, Fransérgio cabeceou por cima do travessão e, de seguida, foi Galeno a tentar a sorte, mas o remate acabou por sair ao lado da baliza.

Os arsenalistas impuseram o ritmo da partida durante toda a segunda metade e o golo do empate foi uma ameaça constante. Aos 64 minutos, o cruzamento de Ricardo Horta encontrou a cabeça de Paulinho, que pôs á prova o guarda-redes visitante. Claúdio Ramos voltou a ter de se aplicar aos 76 minutos, após uma tentativa que surgiu do pé de Galeno. O brasileiro voltaria a mostrar-se á passagem do minuto 79, quando fez a assistência para o golo da igualdade, marcado por Paulinho, com um cabeceamento no coração da área. No minuto seguinte, mais uma vez Galeno voltou a provocar tensão com um remate que saiu ligeiramente ao lado.

Já no tempo adicional dado por Jorge Sousa, o SC Braga consumou a reviravolta. Wilson Eduardo cabeceou á trave e, na recarga, Paulinho não perdoou e bisou na partida, e selou a partida em 2-1 para os bracarenses.

Com esta vitória, a equipa de Rúben Amorim assume, de forma isolada, a quinta posição da tabela classificativa, com 24 pontos. O próximo embate está marcado para a próxima sexta-feira, dia 17, pelas 19h, no Estádio do Dragão.