Bombay Bicycle Club, a banda de Indie-Rock britânica, deu a conhecer ao mundo Everything Else Has Gone Wrong no dia 17 de janeiro de 2020, seis anos após o lançamento do último projeto. Apesar de consistente e de gozar de alguns aspetos bastante positivos, o álbum é, no geral, esquecível.

Se ouvíssemos todos os álbuns de Bombay Bicylce Club, um seguido do outro, reparávamos que se trata de uma banda bastante mutável. Apesar do toque tão característico deles, os trabalhos misturam um pouco de Eletrónica, outro tanto de Indie-Pop e, mais notoriamente neste, o Indie-Rock.

list.co.uk

A banda que lançou So Long See You Tomorrow em 2014 regressa com um trabalho que, apesar de o ouvirmos e indiscutivelmente identificarmos a quem pertence, sabermos de quem é, não está muito bom. Gosto de mudanças e, de facto, noto diferença neste projeto. Noto a falta de complexidade pela quantidade de géneros musicais que tão bem costumavam harmonizar. Isto fez-me lembrar que na verdade só gosto de mudanças quando é para melhor e sinto que esta não foi.

O projeto traz-nos 12 faixas: “Get Up”, “Is It Real”, “Everything Else As Gone Wrong” (homónima do album), “I Can Hardly Speak”, “Good Day”, “Eat, Sleep, Wake”, “I Worry Bout You”, “People People”, “Do You Feel Loved?”, “Let You Go” e “Racing Stripes”. Começa bem com “Get Up”. A melodia é animada, curta e simples mas alegra e distrai. Contudo, os problemas começam quando começo a sentir que é praticamente isto que tenho a dizer sobre todas.

Os refrões são exageradamente repetitivos – o single que dá nome ao álbum chega mesmo a ser cansativo. O mesmo toque de alegria-nostalgia, as letras que parecem ser compostas pelas palavras de que se lembraram primeiro e que rimassem, tornam este projeto, na minha opinião, o pior da banda. Talvez se estivesse a criticar o projeto de uma banda que já achava não ter potencial fosse mais branda, mas não é o caso.

A acompanhar um trabalho lírico pobre, temos melodias engraçadas, alegres e que proporcionam um bom ambiente. No entanto, deviam ser mais distintas umas das outras: por vezes ouvimos três músicas e ainda achamos que é a mesma. Do que parece o início de uma viagem espacial em “Is it Real” à melancolia mais clássica de “I can hardly speak” as melodias, pelo menos, mantem a qualidade que eu associo à banda.

Bom para o pôr-do-sol, para fazer companhia em tardes melancólicas de verão mas, também, para música de fundo de anúncios publicitários. Muito aquém do que espero de Bombay Bicycle Club e do que esperava de seis anos de ausência, mas não o suficiente para deixar de os apreciar. De facto para um bom próximo projeto e pegando na letra de “Good Day”, “it’s only you that’s standing on your way”.