O evento contou com testemunhos pessoais de alunos e com esclarecimentos de todo o projeto.

“Como será estudar e investigar nos Estados Unidos?” foi a pergunta que se debateu esta quarta-feira. A FLAD (Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento) trouxe à Universidade do Minho uma sessão esclarecedora, no Auditório B1 do Complexo Pedagógico 2 do Campus de Gualtar, sobre os projetos que detêm para a comunidade académica.

Pedro Arezes, presidente da Escola de Engenharia da Universidade do Minho e diretor nacional do Programa MIT Portugal, deu início à sessão com um discurso sobre a importância deste género de experiências tanto a nível profissional como pessoal. “Muda a nossa vida”, afirma o presidente, admitindo ter sido, também, bolseiro da FLAD.

Na sessão foi, também, possível ouvir o testemunho pessoal de duas alunas da Universidade do Minho. Cristiana Carvalho, doutorada no grupo I3B’S em Engenharia de Tecidos, teve a oportunidade de viver em New Jersey e realizar uma investigação sobre uma patente desenvolvida na área da regeneração neuronal. “Sem a ajuda financeira da FLAD e todo o apoio no processo, teria sido impossível ter ido para lá e ter feito o trabalho que fiz.”, assume a aluna. “Permitiu-me ter publicações com nomes importantes dos Estados Unidos e aprender diversas técnicas que pude trazer para o meu trabalho cá.”, acrescenta.

Flávia Barbosa, doutoranda em Líderes para Indústrias Tecnológicas, foi para o MIT, em Boston, durante 4 meses. “Esta oportunidade não nos bate à porta todos os dias, temos que aproveitar sem medo”, afirma a aluna.

A FLAD, criada em 1985, é uma fundação privada que tem como objetivo promover o desenvolvimento económico, social e cultural de Portugal através da cooperação com os Estados Unidos da América. Atua em 4 áreas principais: ciência e tecnologia, educação, arte e cultura e relações transatlânticas. Contém bolsas tanto para mestrandos como para doutorandos, permitindo os alunos apresentar artigos em conferências nos EUA ou realizar estágios de investigação. Ao mesmo tempo, a FLAD apresenta os FLAD Science Awards: Atlantic 2020 e Health 2021 – prémios para investigações de doutorandos portugueses com foco no Atlântico e com foco na Saúde, respetivamente.

Em conjunto com a FLAD, estiveram também presentes a Fulbright, a MIT Portugal e CMU Portugal. Todas apresentaram os seus projetos, bolsas e estágios, respondendo a questões do público.