Derrota dos arsenalistas determina a eliminação na prova europeia.

O Estádio Municipal de Braga foi palco, esta quarta-feira, da partida referente à segunda mão dos 16 avos de final da Liga Europa entre SC Braga e Rangers. O clube da casa acabou por perder por 0-1 frente aos escoceses.

Depois da infelicidade da reviravolta que determinou a derrota dos minhotos na primeira mão desta eliminatória (3-2), o SC Braga entrou melhor neste jogo, conseguindo dominar a posse de bola nos primeiros minutos. No entanto, foram os escoceses a criar a primeira oportunidade de golo, à passagem do minuto oito.

A primeira parte foi dividida entre as duas equipas. O conjunto português foi um pouco mais dominador, mas sem conseguir concretizar. Já a equipa orientada por Gerrard, que apesar de adotar um comportamento mais defensivo, conseguiu criar mais oportunidades de golo e oferecer mais perigo para a baliza bracarense.

Ainda no final da primeira parte, ao minuto 44, foi assinalada uma grande penalidade a favor dos Rangers por mão na bola de Raul Silva. Na cobrança, Ianis Hagi não conseguiu fazer a bola passar por Matheus e desta forma o primeiro tempo acabou com o placard a zeros.

Depois do intervalo, os gverreiros do Minho assumiram o jogo na tentativa de marcar um golo que lhes permitiria a passagem à fase seguinte. Mas, apesar do domínio dos pupilos de Rúben Amorim, foram os escoceses que abriram o marcador. À passagem do minuto 60, Ryan Kent rematou forte para o canto inferior, depois de ter ficado frente a frente com o guarda-redes minhoto.

Mesmo depois do golo dos visitantes, o SC Braga não desistiu e continuou a atacar com intensidade, criando várias oportunidades de golo. No entanto, os esforços dos arsenalistas não deram frutos, acabando mesmo por saírem derrotados da partida (0-1).

Esta derrota dita o final da turma do Minho nesta aventura europeia, com um resultado de 2-4 no conjunto das duas mãos. No próximo domingo, os bracarenses visitam o Marítimo, em jogo a contar para a 23ª jornada da Liga NOS, que é agora o único foco da equipa minhota.