how i’m feeling now é o quarto álbum de estúdio da cantora inglesa Charli XCX. Lançado a 15 de maio de 2020 com a Atlantic Records e Asylum Records contou com os produtores executivos AG Cook e BJ Burton.

O álbum pode ser considerado um processo colaborativo de DIY (“faz tu mesmo”) uma vez que a cantora decidiu, neste, envolver os fãs no processo criativo e gravação. Pode também ser considerado um álbum “fica em casa” numa reação às circunstâncias em que nos encontramos.

radiocomercial.iol.pt

A 24 de novembro de 2019, Charli anunciou na rede social Twitter que queria gravar dois novos álbuns em 2020. Um para ser lançado em 2020 e outro em 2021. how i’m feeling now foi feito através do Zoom por isso a data definitiva do lançamento foi também divulgada nessa mesma plataforma, ficando assim datado 15 de maio de 2020.

A 6 de abril de 2020, numa chamada pública com os fãs na plataforma Zoom, Charli XCX anunciou que um novo álbum provisoriamente intitulado how i’m feeling now estaria a ser feito. Na chamada, afirmou: “a natureza deste álbum será muito orientadora para os tempos em que vivemos, porque só poderei usar as ferramentas que estão ao meu alcance”.

O projeto na íntegra é uma colaboração entre ela e os seguidores através do uso das chamadas de Zoom para compartilhar demos e estabelecer conversas de texto com os produtores. Pede também aos fãs comentários individuais tornando-os a eles pacientes numa espécie de sessão de terapia.

how i’m feeling now não é um mau álbum. Só pela história por detrás, por todo o processo criativo, já merece  reconhecimento e valor. É fora do usual, por vezes indefinido por não ser consistente e uníssono.

Temas como “c2.0”, “anthems” e “pink diamond”, ficam menos no ouvido. O efeito pitch shift não ficou famoso e tornou as músicas, segundo revisões, as menos adoradas. “c2.0” contêm mais música do que letra de uma forma demasiado repetitiva. “Anthems” fala sobre passar o dia a ver televisão, comer cereais e ter saudades dos amigos e o facto de isso não ser suficiente. Não poder sair á noite e ir a Nova York, é algo de que sente falta.

Mas a análise tem de se feita segundo uma outra perspetiva, a do confinamento. Na música “pink diamond” a sonoridade é vista como sufocante, repetitiva e isso só revela o estado de espírito da cantora e de todas as pessoas no mundo. A necessidade de sair é maior que tudo.

Por outro lado há temas que se destacam pela positiva, como “forever”. A 7 de abril foram partilhados diversos fragmentos, nas redes sociais, do tema que se foca no estilo do Pop e Synth-Pop. Fica assim determinado o primeiro single do álbum.

“claws”, o segundo single, já entra no estilo de música de ElectropopGlitch Pop com elementos de Hip HopEletrônicoPop e Trance. Numa perspetiva lírica, o amor é, no momento do auto-isolamento, inspirado pelo namorado de Charli que se encontra em quarentena.

“party 4 u” é o tema mais longo do álbum o que o tornou repetitivo mas de certo modo cativante pela diversidade que atinge ao longo da música. Se fosse mais curta a repetição não seria tão exagerada. Passa de uma velocidade moderada para algo acelerado e diferente.

“i finally understand”, o terceiro single, consta com uma capa que foi feita a partir da participação de diversos artistas: Allison Zuckerman, Jon Emmony e POLYGON. Explora o equilíbrio e a perceção da força das próprias emoções. Repleto de hiperatividade, a música apresenta um formato Pop mais direto do que nos anteriores como nas faixas “forever” ou “claws”. Ainda assim, com uma harmonia inspirada em elementos do Garage, do Reino Unido, e pinceladas da música do clube Baltimore, proporciona uma linha vocal verdadeiramente irresistível de Charli.

“enemy”, o quarto single, é uma música nostálgica que nos remete para os anos 80 com o uso de sintetizadores e a energia moderna de Charli XCX no que diz respeito á produção e som. Ela questiona se o inimigo é aquele que a conhece mais, que mais a ama.

“visions” é como uma festa para o fim do mundo e para o fim do álbum. É como uma luz no fundo do túnel. Transmite esperança e um mundo melhor com imagens que a cantora tem desse “sonho”.

No álbum constam ainda dois temas, “7 years” e “detonate” contraditórios. Na primeira ao longo da música a cantora descreve a relação em que vive há 7 anos “Seven years and it’s been you and I, always” apesar de toda a controvérsia ultrapassada entre o casal. Apesar de toda uma melodia alegre, a letra não deixa indiferente o lado emocional do ouvinte. Por outro lado “detonate” descreve uma relação em que não há estabilidade. O título diz tudo. A cantora está prestes a “explodir” questionando repetidamente no final da música se ele a ama.

À primeira vista é um álbum monótono e sem sentido. Com uma observação mais detalhada mostra-se pessoal e terapêutico. É fora do comum mas é profundo e diferente. Uma junção de almas.