A reitoria da Universidade do Minho não prestou declarações, afirmando que quer esclarecer, em primeiro lugar, o ministro do Ensino Superior.

Por conta da pandemia de covid-19, as residências universitárias encerraram em março, no entanto, o Bloco de Esquerda acusa a Universidade do Minho de continuar a cobrar as mensalidades do alojamento aos estudantes que necessitam desses espaços.

Em pergunta dirigida ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o BE menciona que a manutenção dos pagamentos “pode provocar problemas financeiros” aos agregados familiares dos estudantes não bolseiros. Tal deve-se às “quebras de rendimento significativas na sequência dos impactos da pandemia, como despedimentos e reduções salariais por motivos de ‘lay-off’ das empresas”.

Segundo a visão do Bloco, a universidade “deveria encontrar soluções que permitissem minimizar os impactos económicos nos estudantes que se encontrem no domicílio”. Dado isto, a suspensão da cobrança dos valores relativos ao alojamento nas residências universitárias devia ser uma das medidas.

O partido em questão pergunta ainda ao ministro se considera a cobrança “aceitável” e se tenciona intervir diretamente para resolver o problema, caso a universidade não recue na sua decisão.

A agência Lusa tentou contactar a reitoria da Universidade do Minho, mas sem sucesso. A academia recusou-se a fazer qualquer comentário, alegando que quer esclarecer, em primeiro lugar, o ministro do Ensino Superior.