Têm-se acumulado várias queixas por parte da população sobre as más condições da estrutura. Segundo o autarca, o orçamento do Município não previu um investimento neste equipamento.

O autarca da Câmara Municipal de Braga nega a possibilidade de um projeto de intervenção na Central de Camionagem. No orçamento da autarquia não está previsto qualquer investimento na estrutura, mas poderão ser atendidas algumas necessidades mediante “intervenções mais minimalistas”, a curto prazo. Ricardo Rio, em declarações à RUM reitera a criação de raiz de “uma solução intermodal na envolvente da estação de caminhos de ferro”.

Várias queixas têm chegado ao Município sobre a “insalubridade” e as “lacunas” da Central de Camionagem. O investimento na total renovação da estrutura seria “avultado” e ronda os quatro milhões de euros. Dada a impossibilidade de realizar a tarefa, vão ser “equacionadas” melhorias menores “que garantam alguma melhor qualidade e conforto”. Os trabalhos serão levados a cabo no espaço de um ano, estando “sempre sujeitos à elaboração de um projeto de intervenção para o efeito”, explicou o dirigente à RUM.

Verifica-se a intenção de construir um novo equipamento intermodal nas imediações da estação de comboios. A iniciativa conta já com terrenos “reservados para o efeito” e “faz mais sentido que seja feito nesse local, independentemente do destino que venha a ser dado ao espaço atual da Central de Camionagem”, acrescentou o presidente do Município.

O regulamento da Central de Camionagem foi aceite na semana passada e pertence agora ao município. Os utilizadores e os moradores em redor têm vindo a ressaltar a degradação e as más condições desta entrada para a cidade e apontam para a necessidade de modernização da estrutura.

A gestão do espaço ainda está a ser avaliada, mas Rio afirma a possibilidade de atribuir a tarefa aos Transportes Urbanos de Braga. Não foi, ainda, tomada qualquer decisão, mas “não está em cima da mesa que (a gestão) saia novamente da esfera pública”, informou o autarca.