Protocolo visa motivar a mobilização da sociedade portuguesa na luta contra a SIDA. Conta com a participação de alunos da Universidade do Minho.

A Câmara Municipal da Guimarães celebrou esta terça-feira o protocolo com a Fundação Portuguesa “A Comunidade contra a Sida”. O projeto tem carácter interventivo e pretende ainda incentivar a investigação científica na área médica e psicossocial.

Até ao momento, o município vimaranense tem vindo a implementar ações de prevenção pelo VIH, Hepatites Virais e outras Infeções Sexualmente Transmissíveis assim como aconselhamento em vários Agrupamentos e ainda no Estabelecimento Prisional de Guimarães. No próximo ano letivo, mais duas unidades escolares juntam-se ao projeto que tem vindo a ser realizado a nível nacional.

O protocolo com a autarquia teve destaque nas declarações à comunicação social de Filomena Frazão de Aguiar, presidente do Conselho de Administração da Fundação Portuguesa. “A Câmara de Guimarães revela uma visão de apoiar esta área tão importante como é a educação e a prevenção na área da saúde”, pode ler-se no comunicado.

Filomena Frazão explicou ainda que vai ser utilizado o conceito de “educação pelos pares”, que forma os “jovens mais velhos para eles serem os pares nas escolas”. Durante o ano letivo, as turmas serão intervencionadas semanalmente com um professor destacado pelo Ministério da Educação.

Adelina Pinto, vice-presidente da Câmara de Guimarães, afirmou que “o Município tenta dar às escolas aquilo que pensamos que faz falta para a educação dos jovens. Mesmo ao nível da sexualidade é verdade que os alunos têm acesso à informação, mas devemos transformá-la em conhecimento”. Para além disso, a autarca sublinhou que “estas temáticas vão ser reforçadas com o trabalho de universitários, jovens mais próximos dos nossos alunos, que mais facilmente identificam os seus problemas e as formas de o resolver”.