Surdina é o novo filme do vimaranense Rodrigo Areias, com argumento de Valter Hugo Mãe.

Com estreia prevista nas salas de cinema português em abril, Rodrigo Areias viu o novo projeto ser adiado para julho. Surdina, que conta com o argumento de Valter Hugo Mãe, tem passado em vários festivais internacionais e tem recebido alguns prémios. Para o realizador, é um filme de acesso mais fácil, quando comparado com outros que já fez, e o feedback do público tem sido positivo.

O filme foi gravado na cidade de Guimarães, terra natal de Rodrigo e Valter. O realizador levou o escritor aos sítios sobre os quais gostava que ele escrevesse, como a casa do Isaque e o centro histórico da cidade. Em contrapartida, Valter levou Rodrigo a São Cristovão de Selho, onde vive a sua família, tornando o filme na união destes dois universos.

Surdina

Todo o filme foi escrito com um título provisório até surgir o atual. Surdina não é apenas usado para abafar o som dos instrumentos, mas é também aquilo que se diz “entre dentes”. É um título pouco comercial, mas é um título adequado, segundo Rodrigo Areias.

Surdina conta com nomes como António Durães que dá vida a Isaque, um homem solitário numa repetitiva rotina. Todos os dias vai à tasca com os amigos, dá comida aos seus pássaros presos numa gaiola e ao seu animal de estimação, sempre escondido, e compra flores para a sua falecida mulher até descobrir que, afinal, ela vive na aldeia.

Em entrevista ao ComUM, Rodrigo Areias sublinhou que “o grande drama de tudo isto é a economia estagnar e ao estagnar é um ciclo vicioso para voltar a arrancar”. Deste modo, considera importante que não se pare de fazer filmes para garantir que as pessoas com quem trabalha continuem a sobreviver.