Vimaranense está na secção do quadro de Novak Djokovic.

João Sousa ficou, esta quinta-feira, a conhecer o seu adversário para o Grand Slam norte-americano e ainda que está na secção do quadro de Djokovic, tal e qual como o outro português em prova, Pedro Sousa. O vimaranense vai ter pela frente Michael Mmoh, que, aos 22 anos, é o 184.º classificado do ranking mundial.

Se vencer a primeira ronda, o número 66 do ranking mundial vai medir forças com o vencedor do encontro entre Pedro Martinez e Jan-Lennard Struff. Os dois portugueses podem enfrentar-se nos oitavos de final da competição.

Este ano, devido à Covid-19, a prova decorre sob circunstâncias sui generis. Aquando da sua chegada a Nova Iorque, todos os tenistas foram submetidos a um teste de despite de coronavírus e só puderam sair do quarto de hotel quando souberam os resultados. Para que a competição se realizasse, foi criada uma bolha sanitária no USTA Billie Jean King National Tennis Center, a arena do torneio, onde tem sido jogado o Masters 1000 de Cincinnati esta semana.

Em declarações ao Raquetc, Frederico Marques, treinador de Sousa, considerou que as medidas estão bem feitas e explicou como funcionam as regras dentro da bolha sanitária: “os jogadores são os únicos que têm acesso a todas as área. De resto, os treinadores podem ir a tudo o que é indoor, mas os preparadores físicos têm de fazer todo o trabalho lá fora”. Desde sábado em Nova Iorque, o técnico afirmou que o vimaranense tem treinado com “jogadores de top-20 e com um bom nível”, porque quer “que o João tenha essa exigência”.

No ano passado, em Flushing Meadows, João Sousa não foi além do primeiro embate e caiu perante Jordan Thompson. A melhor prestação do português remonta a 2018, altura em que chegou à quarta ronda do quadro de singulares do US Open.