Give Me A Minute, de Lizzy McAlpine, saiu a 13 de agosto de 2020. O álbum que conta com 13 musicas escritas e interpretadas pelo jovem talento americano deixa-nos a existir numa sensação agridoce.

Lizzy McAlpine é uma jovem artista de Philadelphia sobre quem pouco sabemos. Contudo, sabe-se que a paixão pela música começou assim que teve altura suficiente para chegar ao piano do avô.

last.fm

McAlpine, estudante de música, inicialmente partilhava as suas canções no YouTube e noutras plataformas. Chegou, inclusive, a ter algum sucesso mais recentemente com uma publicação no TikTok na qual cantava um original seu. Em 2018 conseguiu lançar um EP com 8 faixas, Indigo. Give Me A Minute, por sua vez, é um álbum criado ao longo do ano de 2019 quando McApline se encontrava em Espanha a estudar. Longe da família e amigos, Lizzy foi produzindo música a música.

Todo este projeto é bastante nostálgico e triste, mas doce ao mesmo tempo. A temática anda muito à volta de o final de uma relação (e, por vezes, do início de outra). Contudo, conseguimos ter a sensação que a nostalgia e o sentimento de tristeza em algumas músicas extrapolam a relação, sendo aqui importante relembrar que a artista se encontrava longe de casa quando escreveu as músicas.

A dicção quase perfeita da artista, a sua doçura na voz alicerçados aos acordes simples da guitarra, conferem um toque muito intimista a este projeto. O facto de nem a voz, nem a guitarra estarem demasiadamente editados, dão-nos a agradável sensação de que estamos numa pequena sala a ouvir estas músicas ao vivo.

Toda a envolvência de circunstâncias que levaram a artista a criar este projeto, bem como o facto de ter sido desenvolvido num ano, deixam alguma curiosidade face a eventuais projetos futuros. O facto de ter pegado na tristeza que sentia e a ter tornado musical, leva-nos a querer que, vivendo McAlpine este ano completamente diferente, podemos contar com um próximo álbum muito diferente.

Apesar de a letra não ser genial, enternece e a voz acompanha bem o género que a letra dita. Lizzy McAlpine é uma boa descoberta. Talvez demasiado nostálgico para este final de verão, mas certamente voltarei a ele numa qualquer tarde de inverno.