Matthew Tyler Musto, mais conhecido por Blackbear, é um cantor, compositor, músico e produtor americano. O artista conta com 5 álbuns de estúdio, 6 EP’s, 1 mixtape e 2 álbuns colaborativos. Lançado no final do verão, a 21 de agosto, everything means nothing é o 5º álbum de estúdio do cantor.

São 12 as faixas que compõe o disco. As primeiras destacam-se por terem sido singles de liderança. Além disso, o álbum conta com a ajuda de outros produtores e artistas como Marshmello, Lauv e Trevor Daniel.

umusicpub.com

O single do álbum, “hot girl bummer”, lançado há um ano, marca pela energia e pelo título que se inspira, de forma satírica, no hashtag “hotgirlsummer”. A música apresenta dois videoclipes intitulados, respetivamente, como low e big budget. No primeiro, a indiferença e crítica às pessoas que considera serem falsas na internet é bem transparente. O segundo videoclipe retrata, também, a “prisão digital” em que o mundo se tornou. É uma música vibrante, cativante e fácil de nos fazer envolver, remetendo-nos para uma atmosfera de festa.

Me & ur ghost” fala do término de uma relação entre uma rapariga e o artista e como isso o atingiu de uma forma tão intensa, fazendo-o sentir que agora é só ele e o fantasma dela. Ao longo da música, diz querer apagar cada memória, mas isso ser quase impossível. Principalmente no videoclipe, o desejo e vontade de se libertar é enfatizado. O desespero na possibilidade de a ver é sentido em cada palavra da música.

Queen of broken hearts” é mais uma das personificações e críticas das redes sociais. Em vez de cantar sobre uma relação, um término ou uma perda, o cantor foca-se no que cada um recebe do digital e na tóxica irrealidade vivida neste- “when did i become so dark?”. Mais uma música que nos faz repensar nos tempos em que vivemos, a bolha das tecnologias.

No álbum surge uma trilogia que se assemelha logo pelo título: “i feel bad”, “i feel 2 much” e “i felt that”. A primeira intercala eletro, pop e emo com canto e rap. Tem mais energia e uma batida mais intensa. A segunda faixa traz ao de cima um Blackbear mais antigo. Parece uma súplica para deixar de sentir dor e sair da sensação de vazio, através de uma musicalidade mais EDM (eletronic dance music), robótica e synth drop. A última da trilogia é uma mensagem sobre deixar de lado tudo o que incomoda. Com mágoa, o artista diz que é preciso aprender a gostar e viver com o que temos, fugir da negatividade.

Sobbing in cabo” apresenta uma musicalidade que lembra uma viagem. Tal pode ser sentido na letra quando diz estar preso no passado com as fotos que tem e viaja no refrão, “Baby, baby, where’d you go? (I’m sobbing in Cabo)”.

“Clown” é a primeira colaboração no álbum e conta com a presença do artista Trevor Daniel. O tema traça um paralelo entre as emoções que uma pessoa esconde aos sorrisos pintados de um “palhaço”. Transmite uma mensagem mais negativa dizendo que, mesmo numa montanha-russa emocional, se pode tentar sempre o melhor para disfarçar os verdadeiros sentimentos, por causa do fardo que pode ter sobre outros.

If i were u”, uma colaboração com Lauv, é uma música que segue uma narrativa sobre ver as coisas de uma diferente perspetiva. Blackbear vê-se como o problema numa relação que não resultou. Em contraste, Lauv diz que, numa relação que também não deu em nada, a outra pessoa é que foi o problema. Há um contraste interessante na música que dá uma certa profundidade à mágoa e história.

Half alive” é uma produção com Marshmello que fala sobre uma rapariga que o deixou e o fez sentir apenas “meio” vivo. Apesar disso, diz querer voltar a tentar estar com ela. É mais uma música sobre um término e, numa abordagem mais profunda, torna a composição do álbum, aos poucos, igual. Não deixa mesmo assim de ser cativante.

Why are girls?” quebra o tema dos corações partidos e apresenta uma perspetiva bastante positiva e bonita da mulher. Na faixa, o artista questiona-se como é que mulheres tão bonitas entraram na sua vida. Diz mesmo serem o motivo da “ruína” do músico.

Num mood mais acústico e bastante distinto para acabar da melhor forma o álbum, “smile again” fala da perda de alguém, mas também da perda do artista. Diz já não saber sorrir depois de um período bastante feliz. É a música que mais marca, dado ser fácil criar uma ligação pela neutralidade e pureza da letra. É como se na última música o cantor tirasse o lado mais durão e deixasse sair a fragilidade.

Everything means nothing” é um bom exemplo de quem é Blackbear como artista. Há um bom equilíbrio entre canções cativantes que nos fazem querer dançar e canções mais profundas. As influências do TikTok ressoam dentro do álbum e da música como um todo. É por isso que este é o disco perfeito para obcecados pelo TikTok e estudantes numa típica luta contra o stress. Uma mistura improvável, mas real.